Abertura da linha circular do Metro derrapa para 2024

  • ECO
  • 19 Agosto 2019

Reclamações à decisão de qualificação levaram Metro de Lisboa a adiar o prazo para a entrega de propostas no concurso para o prologamento da linha entre as estações do Rato e Cais do Sodré.

Afinal, vai ser preciso esperar até 2024 para que o Metropolitano de Lisboa passe a ter uma linha circular. Tudo porque a empresa prorrogou por mais de três meses e meio o prazo para a entrega de propostas no concurso para o prolongamento das linhas amarela e verde.

O prazo para entrega de propostas para a construção dos toscos dos lotes Rato/Santos e Santos/Cais do Sodré, devia ter terminado a 11 de agosto, mas a empresa optou por prolongar o prazo até 30 de novembro. De acordo com o Jornal de Negócios (acesso condicionado) o Metro de Lisboa justifica esta decisão com “desenvolvimentos associados à fase de qualificação dos candidatos e da apresentação de reclamação/impugnação à decisão de qualificação por parte dos interessados”.

O Executivo pretendia avançar com as obras ainda em outubro, de forma a que a expansão estive concluída em 2023, mas a prorrogação do prazo de entrega de propostas acabará por atirar a conclusão das obras para o ano seguinte. “As obras de construção deverão ocorrer até 31 de dezembro de 2023, estando prevista a abertura ao público da nova linha em 2024, após a instalação dos sistemas de via e de sinalização, bem como dos respetivos ensaios”, diz fonte da empresa citada pelo Jornal de Negócios.

O prolongamento das linhas amarela e verde, que está longe de ser consensual, que inclui a construção de 1.956 metros de túnel e duas novas estações na Estrela e em Santos, vai custar cerca de 210 milhões de euros, dos quais 127 milhões serão financiados pelo Fundo Ambiental e 83 milhões pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abertura da linha circular do Metro derrapa para 2024

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião