Qual o partido mais rico de Portugal?

Entre os partidos portugueses, os comunistas são os que têm mais dinheiro no banco. Já o PSD é o partido mais rico em imóveis.

Cada partido político defende uma visão e abordagem económica específica, consoante a sua ideologia. Mas como é que gerem as próprias contas? São os comunistas que têm mais dinheiro no banco, acabando o ano com maior liquidez do que os outros partidos. Por outro lado, é o PSD que tem imóveis mais valiosos.

O PCP tem no banco mais de três milhões de euros, de acordo com as contas anuais dos partidos entregues à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP). Seguem-se os social-democratas, com 2,24 milhões, e o Bloco com 1,55 milhões. Já o PS tem pouco mais de 200 mil euros, e o CDS tem cerca de 14 mil euros.

Já quando se olha para o resultado deste exercício, os comunistas acabaram o ano com um saldo de cerca de 17 milhões, sendo que para este montante contribuem largamente as angariações de fundos e as quotas e outras contribuições de filiados. O PSD fica ligeiramente acima, ao apresentar um saldo positivo de 20 milhões, com dívidas superiores a nove milhões, mas bens no valor de quase 30 milhões.

O Bloco apresenta também as contas equilibradas, ao contabilizar ativos no valor de 3,13 milhões de euros, e 170 mil euros em passivo. Os bloquistas reduziram o passivo para menos de um terço no espaço de um ano, sendo que em 2017 esta rubrica totalizava os 655.331,27 euros.

No extremo oposto, o PS e o CDS encontram-se em falência técnica, visto que o valor dos passivos é superior ao ativo. Os socialistas apresentam um buraco de 4,5 milhões, com dívidas superiores a 20 milhões de euros, enquanto os democratas-cristãos têm um défice de 456 mil euros, no exercício de 2018.

Quando se olha para o património imobiliário, é possível verificar que o PSD ultrapassou o PCP e é agora considerado o partido português mais rico em imóveis. Os ativos fixos tangíveis — sobretudo imóveis, mas também automóveis e outros bens — dos sociais-democratas aumentaram mais de quatro vezes entre 2017 e 2018, resultado de uma reavaliação do património pedida ao Fisco.

Quanto custa carregar a bateria do seu telemóvel? Quantas árvores são precisas para fazer uma resma de papel? Quanto custa fazer uma prancha de surf? Quantos casamentos se fazem em agosto? De segunda a sexta-feira, até ao final de agosto, o ECO dá-lhe a resposta a um “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual o partido mais rico de Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião