De Portugal à China de comboio ou uma nova forma de fazer negócios

  • Lusa
  • 21 Agosto 2019

O evento pretende juntar empresários de diferentes setores e países em viagens de comboio. Dentro dos itinerários que se realizam na Europa, inclui-se a passagem em Barcelona, Madrid, Lisboa e Porto.

Várias associações empresariais europeias e chinesas estão a organizar um inédito evento de networking que vai decorrer ao longo de viagens de comboio na China e Europa, abrangendo Lisboa, Porto e Macau.

O conceito, designado Business Rail, visa juntar empresários de diferentes setores e países em viagens de comboio. A próxima edição, que decorre na China, entre 9 e 20 de outubro, arranca em Pequim e termina em Macau, com passagens por Xangai, Shenzhen e Hong Kong. Em Macau, os empresários vão participar na Feira Internacional de Comércio e Investimento.

 

Outros itinerários, que se realizarão na Europa, incluem a península ibérica – Barcelona, Madrid, Lisboa e Porto – e a Europa Central – partida em Bruxelas e destino final Roma.

“A ideia é sempre promover Portugal”, disse à agência Lusa o presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal-China (AJEPC) e cofundador da iniciativa, Alberto Carvalho Neto. “A grande vantagem de uma viagem de comboio é que podes entrar e sair, mudam as pessoas, e acaba por ser um evento giro a nível cultural e de ‘networking'”, descreveu.

A primeira edição realizou-se na Península Ibérica, em 2018, com partida em Barcelona e destino final no Porto, onde os empresários participaram na Feira Internacional de Negócios.

No futuro, Carvalho Neto quer aproveitar a iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”, que inclui a construção de uma malha ferroviária entre China e Europa, através da Ásia Central, para alargar a iniciativa a mais países. “A ideia é que, em 2024, se consigam fazer viagens da China para a Europa: o transiberiano, que demora 10 dias, entre Pequim e São Petersburgo, e outra pelo sul, que passará pelo Cazaquistão, Uzbequistão, Turquia e Arménia“, revelou.

Os empresários não têm que fazer todo o itinerário, podendo embarcar e sair em qualquer umas das cidades abrangidas. A iniciativa é organizada em conjunto pelas associações Centro Internacional de Cultura, Young Entrepreneurs Organization of the European Union e Federação SINO PLPE (Países de Língua Portuguesa e Espanhola).

A partir do próximo ano, Alberto Neto quer alargar o projeto aos países de língua portuguesa. “Quando as pessoas se inscrevem têm de indicar o que é que estão à procura e por vezes pode haver correspondência dentro da delegação empresarial, mas acima de tudo é termos o contacto do que as pessoas querem e o que estão à procura, para fazermos ligação com as delegações locais”, explicou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De Portugal à China de comboio ou uma nova forma de fazer negócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião