França já trabalha tendo como cenário mais provável um Hard Brexit

Numa altura em que Boris Johnson está em Berlim para se reunir com Angela Merkel, e com encontro marcado com Macron na quinta-feira, França diz que o mais provável é um Brexit sem acordo.

O Governo francês está a trabalhar assumindo que o Reino Unido vai abandonar a União Europeia sem um acordo, um cenário que ambos os lados dizem querer evitar, mas que Paris assume agora como sendo o cenário mais provável, de acordo com um responsável do Governo francês, citado pela agência Bloomberg.

O cenário de uma saída sem acordo passou a ser o cenário central, o que significaria a imposição de controlos nas fronteiras com o Reino Unido, entre outras restrições ao comércio e livre circulação de bens e pessoas aplicadas aos países que não fazem parte da União.

Estes comentários surgem numa altura em que o novo primeiro-ministro britânico tem insistido na necessidade de alterar o acordo alcançado entre a União Europeia e o Reino Unido, na altura representado por Theresa May. Os líderes europeus têm estado unidos na rejeição de novas negociações. Boris Johnson tem insistido que o Reino Unido irá abandonar a União Europeia a 31 de outubro, com ou sem acordo.

Mesmo que não haja acordo, os líderes europeus contam que o Reino Unido pague os 39 milhões de libras da fatura do divórcio, algo que Boris Johnson conta que não aconteça em caso de Brexit sem acordo.

Boris Johnson tem encontro marcado esta quarta-feira com Angela Merkel em Berlim e com Emmanuel Macron em Partis na quinta-feira. No sábado, os líderes estarão reunidos, juntamente com Donald Trump, no encontro do G7, que decorre em Biarritz, no Sul de França.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França já trabalha tendo como cenário mais provável um Hard Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião