Donald Tusk critica ausência de alternativas por parte de Boris Johnson no Brexit

  • Lusa
  • 20 Agosto 2019

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apontou a falta de alternativas do primeiro-ministro britânico ao mecanismo do backstop que impede uma fronteira física nas Irlandas após o Brexit.

A União Europeia disse que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não apresentou qualquer alternativa “realista” ao mecanismo de salvaguarda para as Irlandas (o chamado backstop), a única solução identificada até agora para prevenir o regresso de uma fronteira física.

Em resposta à carta enviada na segunda-feira à noite por Boris Johnson, na qual o novo primeiro-ministro britânico pediu à UE que prescinda do backstop, que considera ”antidemocrático” e “inviável”, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, publicou uma mensagem na sua conta oficial na rede social Twitter, a sublinhar que o mecanismo de salvaguarda incluído no Acordo de Saída negociado entre a UE a 27 e Londres “é uma segurança para evitar uma fronteira física na ilha da Irlanda, até que seja encontrada uma alternativa”.

“Aqueles que são contra o backstop e não propõem alternativas realistas, no fundo apoiam o restabelecimento de uma fronteira. Mesmo que não o admitam”, acrescenta, em tom de crítica, o presidente do Conselho Europeu.

Reagindo também à missiva de Boris Johnson, dirigida a Tusk mas com conhecimento para o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, uma porta-voz do executivo comunitário disse que esta instituição partilha a reação publicada pelo presidente do Conselho Europeu.

Falando durante a conferência de imprensa diária da Comissão Europeia, Natasha Bertaud também apontou que a carta enviada na segunda-feira à noite por Boris Johnson “não apresenta qualquer solução legal operacional para evitar o regresso de uma fronteira dura na ilha da Irlanda”. “Não apresenta alternativas e até reconhece que não há garantia de que tais soluções alternativas estejam operacionais no final do período de transição”, apontou, reiterando que a posição de Bruxelas sobre a necessidade de um mecanismo de salvaguarda “é bem conhecida e foi reafirmada inúmeras vezes”.

A porta-voz salientou que, no início das negociações para o Acordo de Saída do Reino Unido do bloco europeu, ambas as partes concordaram em tudo fazer para evitar o regresso de uma fronteira física entre as Irlandas, e, lembrou hoje, “o backstop é a única forma identificada até agora por ambas as partes para evitar tal cenário”.

Na missiva dirigida a Tusk, divulgada na segunda-feira à noite, o líder dos conservadores britânicos argumenta que o mecanismo, que se destina a evitar a imposição de uma fronteira física entre a Irlanda, membro da UE, e a Irlanda do Norte, província do Reino Unido, pode comprometer o processo de paz irlandês.

O backstop prevê que a província britânica, e todo o Reino Unido, fique alinhado com as regras do mercado comum até ser assinado um acordo de comércio livre entre o Reino Unido e a UE. O backstop foi a principal razão pela qual a Câmara dos Comuns chumbou, por três vezes, o acordo de saída do Reino Unido negociado pela ex-primeira-ministra Theresa May e os 27.

Johnson, que assumiu o cargo de primeiro-ministro a 26 de julho, prometeu sair da UE na data prevista, 31 de outubro, com ou sem acordo. Mas, na carta que enviou a Tusk, assegura que o seu executivo “trabalhará com energia e determinação para encontrar um acordo” e acrescenta que essa “é a principal prioridade”.

Contudo, reafirma a sua oposição ao backstop, afirmando que ele é “antidemocrático” e “atenta contra a soberania do Estado britânico”, impedindo o país de manter uma política comercial independente das regras europeias. Johnson argumenta ainda que, sem essa cláusula, o parlamento britânico deverá aprovar o acordo.

Até à data, a UE tem afirmado que o backstop não é negociável, a menos que o Reino Unido proponha outra solução que evite uma fronteira entre as Irlandas e, consequentemente, cumpra o estipulado nos acordos de paz de 1998.

Boris Johnson afirma na carta que o mecanismo podia ser substituído por alguma outra forma de compromisso, como um acordo aduaneiro alternativo durante o período de transição, mas não precisa de que tipo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Tusk critica ausência de alternativas por parte de Boris Johnson no Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião