INEM. Centeno diz que “não é por falta de verbas que as ambulâncias não chegarão”

  • ECO
  • 23 Agosto 2019

O Ministério da Saúde esclareceu que está a avaliar com o Ministério das Finanças o investimento para a compra de novas ambulâncias do INEM. Em causa está a compra de 75 viaturas.

O Ministério da Saúde está a trabalhar com as Finanças para desbloquear a compra de 75 novas ambulâncias para o INEM. A informação foi confirmada esta manhã pelo gabinete de Marta Temido e pelo próprio Mário Centeno, depois de a Lusa ter dado conta que as Finanças barraram a renovação da frota de ambulâncias do INEM afetas aos corpos de bombeiros e a delegações da Cruz Vermelha, que compõem os postos de emergência médica.

“Não é por falta de verbas que as ambulâncias não chegarão”, afirmou o ministro das Finanças, em declarações aos jornalistas, transmitidas pela RTP3, a partir do Tribunal Constitucional, onde Mário Centeno esteve com uma comitiva do PS para entregar as listas de candidatos às eleições legislativas de outubro.

Para a renovação das viaturas, e segundo a Lusa, o INEM apresentou em 2017 um plano plurianual, invocado a “absoluta necessidade de renovação” das ambulâncias, devido à idade das mesmas, muitas delas com mais de 12 anos. O então secretário de Estado Adjunto e da Saúde Fernando Araújo deu aval a este plano e em 2018 foram renovadas 75 ambulâncias dos postos de emergência, ainda entregues pelo anterior ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

Ministério da Saúde e das Finanças a reavaliar situação

Ao final da manhã, depois de o Partido Socialista ter entregado as listas do PS para as legislativas, o ministro das Finanças sublinhou que no ano passado “o orçamento final do INEM ficou 19% acima daquilo que foi aprovado como votação inicial” e, reforçando o que disse o gabinete de Marta Temido, que os investimentos no INEM são feitos em conjunto pelos dois ministérios.

Mário Centeno reforçou ainda que durante este ano já foram feitos “reforços relativamente ao orçamento inicial que crescia 12% face ao ano passado”, dando como exemplos o Tufão Idai, em Moçambique, ou o investimento em outras ambulâncias. O ministro esclarece que para 2019 o orçamento do Instituto de Emergência Média cresceu “muito significativamente” e que “há um reforço de 77% no investimento” do INEM.

Já durante da manhã, o Ministério da Saúde tinha garantido estar a ponderar, em conjunto com as Finanças, as decisões de investimento do INEM quanto à compra de novas ambulâncias.

Em resposta enviada à agência Lusa, o gabinete de Marta Temido indicou que “as decisões de investimento são sempre objeto de cuidada ponderação”, sendo “isso que o Ministério da Saúde e o Ministério das Finanças estão a realizar neste caso”.

O Ministério da Saúde acrescenta que “o reforço do orçamento do INEM foi de 11,8 milhões de euros, em 2019”, cerca de 12% face a 2018, aludindo ao investimento realizado “no robustecimento e modernização dos meios de resposta e emergência”.

PSD exige desbloqueio de verbas e pede intervenção de Costa

O PSD veio, entretanto, manifestar “grande preocupação” face ao bloqueio de verbas do INEM, pedindo a intervenção do primeiro-ministro”, para que a verba necessária seja desbloqueada de imediato.

Em declarações à agência Lusa, o deputado Duarte Marques recordou que se trata de dinheiro do orçamento do próprio INEM, através de receitas próprias, e diz que o partido vai enviar perguntas aos ministérios das Finanças e da Saúde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INEM. Centeno diz que “não é por falta de verbas que as ambulâncias não chegarão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião