Chineses do EMGI investem 300 milhões em imobiliário em Alcântara. Mais de 100 apartamentos vão ter renda acessível

Este é o sétimo projeto imobiliário do grupo chinês em Lisboa. Além de 550 apartamentos, vai construir também escritórios e espaços para retalho, nos 14 hectares junto à antiga pedreira do Alvito.

O EMGI Group comprou a Encosta da Tapada, em Alcântara, e prevê aí investir 300 milhões de euros. O projeto abrange uma área de 120 mil metros quadrados, irá envolver construções tanto de 550 apartamentos para habitação, como escritórios e retalho. O grupo de investidores chineses é já responsável por outros seis projetos imobiliários em Lisboa.

“Esta é uma das grandes áreas ainda disponíveis em Lisboa para promoção de raiz e que irá operar uma profunda regeneração numa zona de grande potencial”, afirmou Gonçalo Santos, head of development da JLL (que entrou no negócio em representação do vendedor), em comunicado.

O terreno tem cerca de 14 hectares e situa-se junto à antiga Pedreira do Alvito, em Alcântara. O investimento de 300 milhões abrange o valor da compra do terreno, mas também infraestruturação, projetos de arquitetura e de outras especialidades, trabalhos de construção, bem como custos inerentes ao processo de promoção.

Mega projeto vai nascer junto à Pedreira do Alvito

Um quarto das habitações vão entrar no programa Renda Acessível

“Estamos a falar de um projeto estruturante para a regeneração do Vale de Alcântara, com capacidade para trazer mais de mil novos residentes para a zona ocidental da capital, além de uma população flutuante muito expressiva. É um dos projetos com escala tão necessários para reter a classe média portuguesa na cidade, e que tem ainda a mais-valia de gozar de uma excelente localização”, sublinhou Santos.

O projeto da Encosta da Tapada prevê um programa imobiliário misto de 87 mil metros quadrados de habitação, 22 mil metros quadrados de escritórios e 11 mil metros quadrados de retalho. Estão previstos ainda 900 lugares de estacionamento.

Do total de 550 apartamentos projetados para a componente habitacional, cerca de 25% serão destinados ao programa de Rendas Acessíveis. Ou seja, 137 apartamentos irão integrar o programa público que pretende permitir às famílias o acesso à habitação mas com preços inferiores aos do mercado. Os restantes serão colocados no mercado de venda livre e direcionados sobretudo aos compradores nacionais.

O projeto do EMGI Group contempla ainda a criação de espaços verdes, o desenvolvimento e equipamentos coletivos como uma escola e um lar de terceira idade, bem como novos acessos ao Bairro de Alcântara.

Este não é o primeiro projeto do grupo chinês em Lisboa, mas sim o sétimo. O portefólio de investimentos inclui seis condomínios (alguns ainda em desenvolvimento): o Amoreiras Garden, o República 55, o República 37, o Palmela 21, o Square 53 e o Rodrigo da Fonseca 40. A principal diferença é que, até agora, o grupo tem estado focado sobretudo na gama alta de mercado e com uma forte componente de reabilitação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses do EMGI investem 300 milhões em imobiliário em Alcântara. Mais de 100 apartamentos vão ter renda acessível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião