Hoje nas notícias: reformas, salinas e TAP

  • ECO
  • 28 Agosto 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O aumento das reformas no setor público e a crescente procura pela nacionalidade portuguesa são dois dos temas destacados pela imprensa esta quarta-feira, que dá ainda conta de como a Parpública tem ignorado a Lei que a obriga a mudar de Revisor Oficial de Contas. Quem não pode ignorar a Lei é a ANA – Aeroportos, que vai ser obrigada a comprar ou alugar salinas para compensar os impactos do novo aeroporto do Montijo na avifauna. E por falar em aves e aeroportos, há ainda um avião da TAP que saiu na segunda-feira em direção a Maputo e que ainda não chegou.

Número de novas reformas no Estado aumentou 20%

Nos primeiros sete meses deste ano foram já 6.147 os trabalhadores da Função Pública que se aposentaram. Assim, até julho, o contingente de novos beneficiários da Caixa Geral Aposentações cresceu 19,5%, um número que se traduz numa subida de mil trabalhadores face ao ano anterior. O valor médio das pensões aumentou, sendo que quem se reformou em junho deste ano ganha mais 125 euros do que um pensionista que se aposentou no mesmo período de 2018.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Nos primeiros seis meses deste ano deram entrada 90.274 pedidos de nacionalidade portuguesa, segundo dados do Ministério da Justiça citados pelo Público. Este número representa um aumento de 3.448 pedidos relativamente aos registados nos primeiros sete meses de 2018, quando totalizaram 86.826. O maior número de pedidos chega do Brasil e da Venezuela, segundo a vice-presidente do Instituto dos Registos e Notariado, Sofia Carvalho. As alterações à lei da nacionalidade e a instabilidade política de alguns países explica parte do aumento da procura.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Aeroporto no Montijo obriga a comprar ou alugar salinas para compensar aves

A ANA – Aeroportos de Portugal precisa de adquirir ou alugar salinas de modo a conseguir compensar as aves afetadas pelo novo aeroporto do Montijo, com o Estudo de Impacto Ambiental a calcular em 246,4 hectares de áreas de refúgio das aves que serão perturbadas com a nova infraestrutura e alertando para o risco de abandono da avifauna da zona. Segundo avança a TSF, a empresa responsável pelo novo aeroporto terá de assegurar 370 hectares de novas áreas de refúgio em salinas, espaços que devem ser ecologicamente semelhantes àquelas que serão afetadas, com áreas de alimentação, e devem ficar longe das rotas aéreas.

Leia a notícia completa na TSF (acesso livre).

Falta de rotação de ROC na Parpública na mira da CMVM

O revisor oficial de contas (ROC) da Parpública é o mesmo desde 2007, tendo já excedido o prazo máximo permitido por Lei sem que a empresa tenha entregue qualquer pedido de extensão à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). De acordo com o estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, nas entidades de interesse público o período máximo de exercício de funções vai até dois ou três mandatos, dependendo de se tratarem de ciclos de quatro ou três anos. Contactada pelo Jornal de Negócios, a Parpública não deu qualquer resposta.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Passageiros da TAP encalhados em Durban, depois de 16 horas em avião

O voo TAP283, que partiu esta segunda-feira de Lisboa com destino a Maputo ainda não chegou ao destino. O avião divergiu para a cidade sul-africana de Durban, devido ao mau tempo, tendo os passageiros ficado retidos mais de 5 horas no interior do avião depois de aterrar. Depois de nova espera superior a três horas, a TAP terá conseguido um hotel, mas segundo as denúncias que chegaram à Renascença a companhia pediu aos passageiros que partilhassem quarto com desconhecidos que viajavam no mesmo voo, apesar do hotel ter mais quartos disponíveis. Questionada pela rádio, a TAP apenas confirmou a divergência do voo.

Leia a notícia completa na Renascença (acesso livre).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: reformas, salinas e TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião