Ganha o que merece? Faça as contas na calculadora salarial

Segundo a Hays, o salário continua a ser uma das maiores causas de insatisfação dos profissionais qualificados. Com a calculadora salarial é possível comparar os salários no mercado de trabalho atual.

A empresa de recrutamento Hays lançou a Calculadora Salarial Hays, para profissionais qualificados, onde pode comparar se o seu salário é justo no mercado de trabalho atual. Para fazer estes cálculos, a Hays tem em conta a região, a área de especialidade, o setor, a função, o tipo de organização, o tempo de experiência na profissão e o salário bruto anual. A comparação é feita a partir dos dados fornecidos pelas tabelas salariais do Guia do Mercado Laboral 2019, lançado em dezembro do ano passado.

Segundo o guia, “o pacote salarial tem ganho cada vez mais importância na vida dos profissionais e o salário é a principal motivação para uma mudança e recusa de uma oferta de emprego.”

O Guia de Mercado Laboral 2019 revela que 42% dos profissionais desempregados recusaram ofertas de emprego no ano passado devido à insatisfação com os salários. No mesmo estudo, a Hays apontava que 70% dos profissionais ponderavam mudar de emprego ao longo deste ano.

“Foi realizada uma análise comparativa entre o que os profissionais no ativo mais valorizam num potencial empregador e a avaliação que os empregadores fazem dos pontos fortes da sua empresa. Foram identificadas algumas discrepâncias interessantes, que poderão ser a chave para a atração e retenção de talento”, sublinhava Carlos Maia, diretor regional da Hays Portugal, à data de lançamento do estudo.

Em 2018, os cinco principais motivos para os profissionais qualificados terem recusado uma oferta de emprego foram: o salário, desinteresse no projeto, condições contratuais e ofertas desadequadas à formação.

Para elaborar o Guia Laboral do Mercado Laboral 2019, a Hays analisou as motivações preferenciais de profissionais e empresas através de um inquérito anónimo com base nas respostas de 3.136 profissionais qualificados e 603 empregadores, abrangendo as regiões do Norte, Centro e Sul de Portugal Continental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ganha o que merece? Faça as contas na calculadora salarial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião