Primeiro foi o Instagram. Agora é o Facebook que quer esconder os likes

O objetivo desta alteração é colocar menos pressão sobre os utilizadores e, ao mesmo tempo, incentivá-los a publicar de forma mais livre e regular.

Depois de o Instagram ter iniciado o teste em alguns países, é a vez do Facebook. A rede social liderada por Mark Zuckerberg está a considerar ocultar, também, o número de likes nas publicações dos utilizadores que constam do feed de notícias, avança o Tech Crunch (acesso livre, conteúdo em inglês).

O objetivo é evitar que os utilizadores se comparem uns com os outros ou que sintam que fizeram publicações “inadequadas” quando não receberam tantos gostos como em publicações anteriores. Além disso, o Facebook quer evitar que os utilizadores eliminem publicações pelo simples facto de não terem alcançado o número de likes que desejavam.

Se a rede social decidir avançar com este modelo que esconde o número de gostos, é provável que o faça gradualmente, tal como tem feito no Instagram (que também é do Facebook), cujo modelo começou por ser testado no Canadá e, depois, estendeu-se a outros seis países: Brasil, Austrália, Nova Zelândia, Itália, Irlanda e Japão.

Esta alteração torna apenas público o nome de alguns amigos em comum que tenham gostado da publicação e não, como ainda acontece, o número total de gostos.

Quando anunciou que iria iniciar a testar este modelo, o Instagram explicou que a mudança pretendia “levar as pessoas a focarem-se nas fotos e vídeos que partilham e não no número de likes que conseguem ter”, revelando impactos positivos na saúde mental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro foi o Instagram. Agora é o Facebook que quer esconder os likes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião