À procura de um novo trabalho? Saiba como preparar as suas redes sociais para o recrutamento

Sabia que mais de 80% dos empregadores recorrem às redes sociais para recrutar? E que quase metade dos recrutadores já eliminou um candidato com base na sua atividade online?

As redes sociais já fazem parte do processo de recrutamento. Mais de 80% das organizações já recorrem às redes sociais para encontrar o candidato ideal. Mas, acedendo, por exemplo, ao LinkedIn ou ao Facebook do candidato, os empregadores descobrem, não só o percurso académico e profissional da pessoa em causa como também as suas filiações, crenças, grupos e postura digital.

De acordo com a Adecco, é um motivo suficiente para que os candidatos se preocupem com o perfil que apresentam nas suas redes sociais, sobretudo tendo em conta que quase metade dos recrutadores já eliminaram, em algum momento, um candidato com base na sua reputação e atividade online.

“As primeiras impressões contam e, no panorama digital de hoje, há muito mais do que um currículo bem construído e um aperto de mão firme para criar boa impressão com um potencial empregador”, começa por explicar a empresa de recursos humanos em comunicado.

"No panorama digital de hoje, há muito mais do que um currículo bem formato e um aperto de mão firme para criar boa impressão com um potencial empregador”

Adecco

Conheça as cinco dicas da Adecco para que o seu perfil nas redes sociais nunca o comprometa em contexto profissional:

1 – Google-se a si mesmo

Comece por pesquisar o seu nome completo online e veja o que um recrutador pode encontrar caso faça o mesmo. A primeira sugestão é que, caso encontre links para contas antigas que já não utiliza, considere encerrá-las. E, para se certificar que não lhe escapa nada, faça esta pesquisa em, pelo menos, duas páginas de resultados no motor de busca.

2 – Tenha uma foto de perfil profissional

Esta dica aplica-se, sobretudo, a redes sociais como o LinkedIn, onde os “possíveis empregadores esperam que tenha uma fotografia de rosto nítida e profissional”. “Não precisa ser muito formal, mas é uma boa ideia que tenha nela uma boa apresentação”, comenta a empresa de recursos humanos.

3 – Junte-se a grupos relevantes para a sua carreira

As redes sociais têm um número quase infinito de grupos, comunidades e páginas, que pode usar para trabalhar em rede com outros profissionais do seu setor e manter-se atualizado sobre as novidade dentro da área. Aproveite, não só para seguir aquelas páginas just for fun, mas também para tornar-se “membro de alguns grupos relacionados com o seu trabalho real ou com o que ambiciona”.

4 – Reveja as suas configurações de privacidade

As configurações de privacidade podem ser um grande aliado para que as redes sociais não o “tramem” durante um processo de recrutamento. Quanto às informações pessoais, a dica da Adecco é que preserve a sua privacidade. “Não as deixe disponíveis e acessíveis publicamente”, aconselha. Relativamente às publicações mais relaxadas, “certifique-se que define as configurações de privacidade e ajusta-as de acordo com o que está confortável em partilhar”. Pode, por exemplo, apenas permitir que o seu círculo de amigos mais próximos tenha acesso a determinadas publicações.

5 – Use hashtags para garantir que chegam até si

Para maximizar a possibilidade dos seus perfis serem encontrados por recrutadores, a Adecco sugere que “inclua hashtags e palavras-chave relacionadas com a função que procura, com o setor e mercado nos quais deseja trabalhar“. Esta dica tem particular relevância, tendo em conta que 84% das empresas usam as redes sociais para o recrutamento, incluindo o direcionamento por meio de palavras-chave, que faz com que os empregadores encontrem pessoas com competências e interesses que correspondam aos requisitos da função para a qual estão a contratar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À procura de um novo trabalho? Saiba como preparar as suas redes sociais para o recrutamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião