“O liberalismo é um grande inimigo da corrupção”, diz Iniciativa Liberal

  • Lusa
  • 5 Setembro 2019

"O liberalismo é um grande inimigo da corrupção". Quem o diz é o presidente da Iniciativa Liberal, partido que também está na corrida à Assembleia da República.

Com o objetivo de “devolver o poder ao cidadão”, o partido Iniciativa Liberal concorre às suas primeiras legislativas com a meta de chegar à Assembleia da República, argumentando que “o liberalismo é um grande inimigo da corrupção”.

Carlos Guimarães Pinto é presidente da Iniciativa Liberal desde outubro de 2018 e quase ao fim de um ano vai enfrentar as primeiras eleições legislativas do partido, depois da estreia nas europeias deste ano, fixando, em entrevista à agência Lusa, o objetivo eleitoral de “conseguir ter uma voz liberal no parlamento”.

É muito importante chegar à Assembleia da República, principalmente nesta fase em que parece que temos quase um consenso, todos se conformaram que as eleições irão ser ganhas pelo PS, e todos os partidos parecem mais interessados em posicionar-se como futuros aliados do PS do que propriamente em oposição ao PS”, justifica.

Quando se olha para “as estatísticas de todos os países mais corruptos do mundo, estes são também menos economicamente liberais”, argumenta o líder partidário, considerando que “os corruptos não gostam do liberalismo” e “o liberalismo é um grande inimigo da corrupção”.

Para Carlos Guimarães Pinto, “vários exemplos de casos mediáticos de corrupção” em Portugal não acontecem “por acaso”, mas sim porque existe “um regime que criou as condições para que isso fosse possível, que concentra muito poder no Estado central”, poder esse que “é muito concentrado num pequeno número de pessoas”.

“E nós achamos que é preciso devolver o poder ao cidadão, devolver o poder às pessoas e essa também vai ser uma forma de acabar com os problemas de corrupção, porque devolvendo poder às pessoas, dispersando o poder pelas pessoas, conseguiremos também retirar condições para que haja mais corrupção”, defendeu.

A grande bandeira com que o partido se apresenta às eleições de 06 de outubro “é a redução dos impostos e a simplificação fiscal”, aponta o economista. “Nós já propusemos algo que parece revolucionário para o nosso país, mas que já foi aplicado em vários países com muito sucesso, que é a simplificação do sistema de IRS com uma taxa única. Foi aplicada em vários países que tiveram sucesso, que já ultrapassaram Portugal em termos económicos”, explica.

O cabeça de lista da Iniciativa Liberal pelo Porto refere que “nas últimas décadas” se tem assistido sempre a “este confronto entre direita e esquerda, que não passa de um confronto sobre formas como o Estado deve exercer o seu poder sobre as pessoas”.

“A crise de que se fala entre os partidos da direita resulta em boa parte de não oferecerem uma visão alternativa suficientemente boa. É tão simples quanto isso, porque a única alternativa ideológica ao socialismo é o liberalismo”, defende.

Assumindo as dificuldades de ter “um partido novo sem um rosto mediático”, Carlos Guimarães Pinto entende que a Iniciativa Liberal se tem imposto “pelas ideias, mais do que qualquer outra coisa”, num caminho com várias fases, começando por ser uma força política das redes sociais, depois dos cartazes, e agora das ruas.

É muito complicado fazer política baseada em estatísticas e factos. Os cartazes trazem as pessoas para as redes sociais, onde nós podemos colocar mais conteúdo, mais dados, mais factos, mais números e depois das redes sociais, passam para o programa, onde está tudo muito mais explicado”, descreve.

Nota negativa tem a governação de António Costa, na perspetiva da Iniciativa Liberal, que critica que estes quatro anos tenham sido “uma oportunidade perdida para o país”.

“Nós tivemos os ventos económicos internacionais bastante a favor, nós tivemos a possibilidade de ter um ambiente político estável pelo facto de termos o PCP e o BE, normalmente as forças políticas que mais geram conflito social, domadas pela parte do PS”, lembra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O liberalismo é um grande inimigo da corrupção”, diz Iniciativa Liberal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião