PAN disponível para “solução de estabilidade”, mas exige nova política agrícola

André Silva, do PAN, diz-se disponível para negociar uma solução de estabilidade para a próxima legislatura. Contudo, sublinha, jamais apoiará um Governo que mantenha a política agrícola do PS.

André Silva, do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), diz que o seu partido está disponível para “encetar conversações” no sentido de “dar uma solução de estabilidade e governabilidade” a Portugal na sequência dos resultados das legislativas de outubro. O PAN, cujas sondagens já chegaram a colocar acima da CDU e do CDS, refere que apenas se colocará nesse papel se os resultados demonstrarem que o partido “é fundamental” para a estabilidade.

“Caso o PAN seja fundamental, para dar uma solução de estabilidade e governabilidade ao país, e caso os portugueses assim o entendam”, apontou André Silva em entrevista à Antena 1, então o partido está disponível para encetar conversações”. Mas que tipo de apoio ou força poderá ter o PAN nesse caso? Tudo dependerá da força com que sair das eleições, respondeu Silva. Até porque, com apenas um deputado, como na atual legislatura, o partido “não fez o que queria, antes o que podia”.

"Caso o PAN seja fundamental, para dar uma solução de estabilidade e governabilidade ao país, e caso os portugueses assim o entendam.”

André Silva

Líder do PAN

“Tudo dependerá da força que o PAN tenha. É diferente ter dois, três, cinco ou seis deputados… o que vai ditar aquilo que possam ser linhas vermelhas, ou o alcance dessas linhas vermelhas, tem a ver com a força com que o PAN pode ter. Ficámos muito aquém do que queríamos nesta legislatura porque só temos um deputado. Não fizemos o que quisemos, só o que pudemos”, explicou. Mas há um ponto em que o PAN dificilmente cederá, acrescentou.

“O PAN nunca apoiará um governo cujas políticas agrícolas se mantenham como estão”, disse André Silva, como que evidenciado a linha vermelha prioritária do partido. E criticou o programa socialista por ignorar a sustentabilidade agrícola e a desertificação. “Não há uma única palavra sobre agricultura biológica, regenerativa, sustentável, no programa do PS”, criticou, rematando: “O PAN não sustentará Governo que olhe para a produção de alimentos como este tem olhado”.

Já em relação ao programa do próprio PAN, André Silva na entrevista à Antena 1 defendeu os méritos de uma das propostas do partido que mais tem motivado discussão, a criação de apoios sociais para famílias de baixos rendimentos com animais de companhia. “Falamos de uma rede de serviços de médicos veterinários para animais de companhia de famílias com carências económicas ou para associações que têm substituído o Estado na recolha e proteção de animais acolhidos. Não é uma medida de proteção dos animais, é uma medida de proteção social para as famílias que menos têm”, explicou o porta-voz do PAN.

“Não é um SNS para animais”, esclareceu ainda face à insistência da entrevistadora em colocar este rótulo à ideia do PAN. “O SNS pressupõe universalidade e gratuitidade para todos”, ao contrário do que está em causa nesta medida do PAN. “Será feita mediante uma análise às necessidades e aproveitando recursos já existentes, de universidades, centros de recolha, instalações e profissionais municipais”, respondeu, explicando que em “temos de impacto orçamental” a medida não levará mais do “que trocos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PAN disponível para “solução de estabilidade”, mas exige nova política agrícola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião