Irmão de Boris Johnson demite-se do Governo

Jo Johnson decidiu deixar o seu lugar de deputado, bem como a pasta no Executivo do irmão, devido a uma "tensão" entre a lealdade familiar e o interesse nacional.

O irmão mais novo de Boris Johnson, conhecido como Jo Johnson, decidiu deixar os cargos de deputado e ministro no Governo. Jo Johson justifica a decisão apontando que tem estado “dividido entre lealdade familiar e interesse nacional”. No referendo de 2016, sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, o irmão do primeiro-ministro votou em “ficar”.

Esta dualidade de papéis, enquanto irmão do primeiro-ministro e político nesta altura conturbada no Reino Unido, é uma “tensão” que não dá para ultrapassar, explica Jo Johnson num tweet, publicado no seu perfil oficial. Acrescentou ainda que “é tempo de outros assumirem” os lugares que vão ficar vazios.

Já não é a primeira vez que Jo Johnson se demite devido ao Brexit, sublinha a BBC (acesso livre, conteúdo em inglês). O político demitiu-se do Governo de Theresa May, onde era ministro dos transportes, por discordar do acordo que a na altura primeira-ministra tinha alcançado com Bruxelas. Quando explicou a sua demissão nesse momento, defendeu a realização de um segundo referendo ao Brexit.

Jo Johnson voltou a fazer parte do Executivo britânico em julho deste ano, quando o irmão assumiu o cargo de primeiro-ministro. Desempenhou o papel de ministro do Estado no departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial, bem como no departamento de Educação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irmão de Boris Johnson demite-se do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião