Autoeuropa restabelece ligação com o porto de Setúbal por comboio. Vai reduzir 80% das emissões de CO2

A solução vai permitir poupar 400 toneladas de dióxido de carbono por ano, o que se traduz na redução de 80% das emissões deste composto, quando comparado com o transporte por camião. 

A Volkswagen Autoeuropa reativou esta sexta-feira o transporte dos automóveis produzidos na fábrica de Palmela para o Porto de Setúbal através de comboio. Esta solução vai, assim, minimizar o uso de camiões na parte inicial do processo de exportação dos carros.

Ao restabelecer a ferrovia para o Porto de Setúbal, é possível poupar 400 toneladas de dióxido de carbono por ano, avança a empresa. Quatro centenas de toneladas que representam menos de 80% de emissões deste composto químico em comparação com o transporte por camião.

“A reativação da ferrovia será feita em duas fases. Durante a primeira [até dezembro de 2019], uma composição fará o transporte diário de 250 carros, retirando assim 32 viagens de camiões do já congestionado percurso rodoviário para o Porto de Setúbal. Em 2020, prevê-se o aumento para duas composições (500 unidades por dia), o que significa que 68% do volume de produção da fábrica de Palmela será transportado por via ferroviária, com o restante a ser efetuado por transporte rodoviário”, lê-se em comunicado.

Até dezembro, numa primeira fase, uma composição fará o transporte diário de 250 carros.

“A ferrovia tem um impacto no ambiente substancialmente menor do que a rodovia e a médio prazo é financeiramente mais competitiva. O futuro da logística terá de ser cada vez mais sustentável, e não tenho dúvidas que este serviço responde a essa
realidade”, afirma Rui Baptista, diretor da área de logística da Volkswagen Autoeuropa, citado no mesmo documento.

Recorde-se que, ainda na semana passada, a empresa anunciou outra solução logística para a aquisição de componentes, através de um camião de maiores dimensões, que permitirá, também, diminuir significativamente as emissões de dióxido de carbono.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa restabelece ligação com o porto de Setúbal por comboio. Vai reduzir 80% das emissões de CO2

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião