Contratos vitalícios não agradam nem a senhorios, nem a inquilinos

Os contratos de arrendamento vitalícios foram aprovados pelo Governo, mas não agradam aos senhorios nem aos inquilinos. Mecanismo poderá ser solução apenas em alguns casos.

O Governo aprovou finalmente o Direito Real de Habitação Duradoura (DHD) ou, por outras palavras, os contratos de arrendamento vitalícios. Com isto, o inquilino pode ficar a morar na casa durante a vida toda, sem precisar de a comprar. Contudo, este mecanismo não conquista os inquilinos, muito menos os senhorios. Se os proprietários acreditam que “não tem grande utilidade”, os arrendatários falam numa ideia que “não aquece, nem arrefece”.

“Não é uma solução que interesse aos inquilinos porque estes vão passar a ser os banqueiros dos proprietários”, começou por dizer Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), ao ECO.

A ideia do DHD é oferecer ao arrendatário a possibilidade de ficar de forma permanente e vitalícia numa habitação, mediante o pagamento de uma caução inicial e de uma renda mensal. Essa caução é acordada entre ambos e deve ser entre 10% e 20% do valor mediano de venda de mercado da habitação, de acordo com a localização e dimensão do imóvel.

"No final, o inquilino tem de entregar a casa ao senhorio e fica sem a devolução de nenhuma verba. Isso é uma lei que não aquece nem arrefece.”

Romão Lavadinho

Presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses

“No final o inquilino tem de entregar a casa ao senhorio e fica sem a devolução de nenhuma verba. Isso é uma lei que não aquece nem arrefece”, continuou o representante dos inquilinos de Lisboa. Isto porque, tal como explicou o Ministério da Habitação, a caução pode ser devolvida ao arrendatário, em parte ou na totalidade, se este renunciar ao DHD durante os primeiros 30 anos de residência na habitação.

Para Romão Lavadinho, o DHD “vai resolver apenas o problema de alguns proprietários que, aceitando estes contratos, no final desse tempo recebem a casa e já receberam muito dinheiro antecipadamente”. No fundo, sublinhou, “é uma forma de os inquilinos financiarem os proprietários”.

Proprietários falam em “pouca utilidade”

A mesma opinião é partilhada pelos proprietários, que falam num instrumento “sem grande utilidade”. Ao ECO, Luís Menezes Leitão defende que “isto não tem utilidade para os senhorios porque provoca uma situação muito grande de oneração do imóvel por um período extremamente dilatado“.

O presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) vai mais adiante e afirma mesmo que também “não terá utilidade para os inquilinos”, uma vez que, se estes “tiverem hipótese de pedir dinheiro emprestado ao banco, vão pedir”.

Romão Lavadinho, da associação dos inquilinos, acrescenta que “vale mais pedir dinheiro emprestado ao banco, comprar uma casa e ao fim de 30 anos a casa é nossa”. Luís Menezes Leitão admite que o DHD “pode ser uma solução de recurso para quem não tenha acesso ao crédito à habitação”.

"Não é muito comum celebrar com um estranho um contrato que permita dar o direito de usufruto da habitação.”

Luís Menezes Leitão

residente da Associação Lisbonense de Proprietários

O presidente da associação dos senhorios defende ainda que “não é muito comum celebrar com um estranho um contrato que permita dar o direito de usufruto da habitação”, sendo mais comum “no âmbito das relações familiares”. Luís Menezes Leitão diz ter “muitas dúvidas” de que algum proprietário aceite celebrar contratos com estas durações.

De acordo com o documento do Ministério da Habitação, este mecanismo oferece ainda ao arrendatário a possibilidade de hipotecar o DHD se precisar de contratar crédito para pagar a caução. Para António Frias Marques, presidente da Associação Nacional de Proprietários, isto “ultrapassa tudo o que é mensurável” e “não existe em parte nenhuma do mundo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contratos vitalícios não agradam nem a senhorios, nem a inquilinos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião