França pressiona Alemanha a investir mais. Pede “solidariedade” com a Zona Euro

Numa recomendação pouco comum, o ministro das Finanças de França disse que a Alemanha tem de começar a investir já e que deve demonstrar "solidariedade" com a Zona Euro.

O ministro das finanças de França disse este sábado que a Alemanha tem de aumentar o investimento público — algo que Berlim está relutante em fazer –, e que tem de o fazer agora, caso contrário a Europa não terá futuro.

Em Itália, no Forum Ambrosetti, um encontro anual da elite empresarial italiana, Bruno Le Maire deixou uma recomendação pouco comum ao seu vizinho Olaf Scholz, dizendo que o Governo alemão tem a margem orçamental para investir mais e que tem de o fazer já para demonstrar “solidariedade” para com o resto da Zona Euro.

“A Alemanha tem de investir mais agora para estimular o crescimento da sua economia e da Zona Euro como um todo”, disse o responsável.

“A falta de investimento significa a ausência de um futuro e da capacidade de acreditar que é possível um novo futuro”, acrescentou.

Não é a primeira vez que a Alemanha é pressionada publicamente a aumentar o seu investimento público. A Comissão Europeia chegou a abrir uma investigação para perceber se teria um desequilíbrio macroeconómico excessivo (positivo), mas a análise foi terminada sem que essa conclusão fosse alcançada.

Também as principais instituições internacionais, como o Fundo Monetário Internacional e a Comissão Europeia, têm insistido na necessidade de países com margem orçamental para investir de o fazerem.

No entanto, os governantes alemães têm demonstrado resistência em abandonar a posição orçamental equilibrada em que as suas finanças públicas se encontram. O ministro das Finanças da Alemanha ainda chegou a levantar a hipótese de o país estimular a economia no mesmo nível da riqueza perdida durante a crise financeira – mais de 50 mil milhões de euros –, mas a discussão não evoluiu desde então.

Os responsáveis alemães estão limitados na capacidade de terminarem o ano com contas mais negativas pelas regras orçamentais inscritas na Constituição, que limitam o défice estrutural a um máximo de 0,35% do PIB por cada ano.

Nas próximas semanas, o Governo alemão vai começar a discutir o Orçamento para 2020, que irá permitir perceber se Angela Merkel e Olaf Scholz irão manter o equilíbrio das contas ou ceder à pressão cada vez maior a nível internacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França pressiona Alemanha a investir mais. Pede “solidariedade” com a Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião