Depois da maioria no Parlamento, Boris Johnson perde mais um ministro

  • Lusa
  • 8 Setembro 2019

Depois de uma semana complicada, durante a qual perdeu a maioria no Parlamento, fez uma purga no partido e viu aprovada legislação que bloqueia um Hard Brexit, Boris Johnson perdeu mais um ministro.

A ministra britânica do Trabalho e das Reformas, Amber Rudd, anunciou este sábado a sua demissão em protesto contra a expulsão de militantes do Partido Conservador pelo Governo de Boris Johnson relacionada com a crise do ‘Brexit’.

“Não posso ficar enquanto conservadores bons, leais e moderados são expulsos”, declarou em comunicado a ministra e deputada, numa referência à expulsão de 21 deputados ‘tories’ que esta semana votaram com a oposição um projeto de lei para evitar um ‘Brexit’ sem acordo.

O Governo de Boris Johnson está confrontado com uma profunda crise após ter decidido em agosto suspender as sessões parlamentares a partir de meados da próxima semana, uma medida rejeitada por uma parte dos conservadores e pelos partidos da oposição.

Em declarações ao Sunday Times, Rudd acrescentou que vai abandonar o grupo parlamentar conservador e tornar-se deputada independente.

Boris Johnson tem defendido que o Reino Unido deve sair da União Europeia em 31 de outubro, incluindo na ausência de um acordo com o bloco comunitário.

Esta semana, Jo Johnson, irmão do primeiro-ministro, também deixou o Governo ao alegar incompatibilidade entre “lealdade à família e o interesse nacional”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da maioria no Parlamento, Boris Johnson perde mais um ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião