Corbyn não apoia eleições até ter garantia que Boris pede adiamento do Brexit

  • ECO
  • 7 Setembro 2019

O líder dos trabalhistas disse este sábado que só quando tiver uma garantia inequívoca que o primeiro-ministro vai respeitar a decisão do Parlamento é que apoiará a convocação de eleições antecipadas.

O líder dos trabalhistas britânicos, o maior partido da oposição no Reino Unido, disse este sábado que o partido não vai apoiar a pretensão de Boris Johnson de convocar eleições antecipadas sem a garantia do atual primeiro-ministro britânico de que irá respeitar a legislação aprovada no Parlamento que impede que o Reino Unido saia da União Europeia sem um acordo no dia 31 de outubro.

“Precisamos de uma declaração clara do primeiro-ministro de que irá cumprir a resolução do Parlamento”, disse Jeremy Corbyn, citado pela BBC.

Questionado sobre quando as eleições antecipadas poderiam ter lugar, o líder dos trabalhistas disse que só quando for “absolutamente claro” que não há risco de o Reino Unido sair da União Europeia a 31 de outubro sem um acordo.

Este sábado, o jornal britânico Guardian noticiou que um grupo de deputados, incluindo alguns dos conservadores entretanto expulsos do Partido por estarem contra a estratégia de Boris Johnson, sondou os líderes europeus para perceber a viabilidade de um pedido de extensão da data de saída por mais três meses, no que passaria a ser terceira extensão em apenas um ano. No entanto, os líderes europeus não terão dado garantias num processo em que há ainda muito por definir.

Boris Johnson respondeu publicamente à pretensão dos deputados da oposição, dizendo que prefere “morrer numa valeta” do que pedir um novo adiamento da data de saída do Reino Unido da União Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corbyn não apoia eleições até ter garantia que Boris pede adiamento do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião