Valor das rendas de estudantes sobe em Lisboa para 399 euros. No Porto aumenta para 299 euros

  • Lusa
  • 11 Setembro 2019

Na capital, o preço das rendas subiu para 399,56 euros, enquanto na invicta escalou para 299,16 euros. As cidades registaram, respetivamente, subidas de 7,6% e de 5,6%.

O valor médio de arrendamento para estudantes universitários aumentou, tanto em Lisboa como no Porto. Na capital, o preço subiu para os 399,56 euros, enquanto na invicta escalou para os 299,16 euros, verificando-se subidas de 7,6% e de 5,6%, respetivamente, em comparação a 2018.

De acordo com dados da Uniplaces — apurados até agosto, mês que antecipa o regresso às aulas –, as zonas mais procuradas pelos estudantes universitários de Lisboa são Arroios, Alameda e Entrecampos. Na cidade do Porto, por sua vez, destacam-se Paranhos, Cedofeita e Bonfim.

Como zona mais procurada na cidade de Lisboa, “por estudantes portugueses e de outras nacionalidades”, Arroios registou um valor médio da renda de quarto privado em casa partilhada de 379,31 euros, o que representa um aumento de 6,8% face a 2018. “Seguem-se Alameda e Entrecampos, com rendas médias de 416,1 e 422,9 euros, respetivamente”, avançou a plataforma de arrendamento a universitários, indicando que as zonas de Lisboa menos procuradas são Alcântara, Sete Rios e São Sebastião, com uma renda média mais elevada no valor de 416,54 euros.

Na cidade do Porto, Paranhos foi a zona mais procurada pelos estudantes nacionais e internacionais, registando “uma renda média de 296,57 euros, valor que sofreu um aumento de 4% face ao ano anterior”. Depois de Paranhos, Cedofeita e Bonfim são as zonas onde a procura é mais elevada, com “uma renda média de 311 e 312 euros, respetivamente”. Ainda na cidade invicta, a zona de Rio Tinto surge como a “mais cara para se estudar, com uma renda média de 338,94 euros”, apurou a Uniplaces.

Destacando o crescimento do número de estudantes internacionais, a representante da Uniplaces em Portugal, Carolina Almeida, afirma que é “muito importante a continuação da aposta no mercado de alojamento para estudantes, para que o leque de opções aumente e se torne mais diversificado para quem procura casa ou quarto para arrendar”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Valor das rendas de estudantes sobe em Lisboa para 399 euros. No Porto aumenta para 299 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião