Rendas vão aumentar 0,51% no próximo ano

INE revelou esta sexta-feira que o índice de preços no consumidor, sem os preços da habitação, se fixou em 0,51% em agosto. Isto significa que as rendas vão registar um aumento de 0,51% em 2020.

Atenção, senhorios e arrendatários: as rendas vão registar um aumento de 0,51% no próximo ano. É este o valor de referência a aplicar na generalidade contratos de arrendamento urbano e rural em 2020.

Este valor foi dado a conhecer esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), com a divulgação da estimativa rápida relativa à taxa de inflação no mês de agosto, que serve para calcular o coeficiente de atualização anual das rendas no ano seguinte.

O aumento resulta da variação dos últimos 12 meses do índice de preços no consumidor, excluindo os preços da habitação, cuja taxa, segundo o gabinete de estatísticas, se fixou nos 0,51% este mês. São melhores as notícias para os arrendatários do que para os senhorios, tendo em conta que os dados de há um ano determinaram uma subida de 1,15% das rendas no início deste ano.

Rendas sobem 0,5% em 2020

Fonte: INE

Ainda assim, o valor final só vai ser conhecido no próximo dia 11 de setembro, quando o INE publicar os dados definitivos da taxa de inflação do mês de agosto, não se prevendo grandes alterações face ao que foi divulgado hoje, sendo depois “homologado” oficialmente com a publicação em Diário da República até 30 de outubro.

Esta atualização aplicar-se à generalidade dos contratos de arrendamento em vigor. É o caso das rendas habitacionais, seja no regime de renda livre, renda apoiada (as chamadas rendas sociais) ou renda condicionada. E ainda o caso de contratos de arrendamento comerciais, industriais ou de imóveis para exercício de profissão liberal ou outros fins não habitacionais.

De fora desta atualização anual estão as rendas antigas anteriores a 1990, no caso do arrendamento habitacional, que têm regras diferentes.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendas vão aumentar 0,51% no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião