Decacórnio JUUL chega a Portugal. Quer ser alternativa para 1,6 milhões de fumadores

Startup norte-americana expande atividade na Europa e lança produto em Portugal, em outubro. JUUL vai estar à venda em 4.000 pontos em todo o país (excepto ilhas).

O paralelepípedo pequeno cabe bem na ponta dos dedos. Não parece mas, o que temos entre mãos é o cigarro eletrónico da JUUL, unicórnio norte-americano e considerado um dos maiores unicórnios do mundo.

A JUUL anunciou, esta manhã, num encontro com jornalistas, que vai começar a operar em Portugal. A escolha do país para continuar a expansão europeia está relacionada com a dimensão do mercado — existem em Portugal 1,6 milhões de fumadores adultos, de acordo com o portal de estatística da saúde da DGS — e, todos os anos, cerca de 10% das mortes no nosso país são atribuídas a doenças relacionadas com o tabaco. A empresa planeia lançar, a partir do próximo mês de outubro, operação em território nacional (exceto ilhas) e quer fazê-lo a partir de 4.000 pontos de venda entre os quais estações de abastecimento de combustível, tabacarias e lojas de conveniência.

“Portugal é um passo importante no nosso caminho”, disse Adam Bowen, cofundador da JUUL, num vídeo mostrado na sessão com os jornalistas.

“Queremos ser alternativa para fumadores adultos mas de forma muito, muito responsável”, explica Nelson Patrício, diretor geral da empresa para o mercado português.

Com base em São Francisco, Califórnia, a empresa é considerada o decacórnio [empresa avaliada em 10 mil milhões de dólares] com o crescimento mais acelerado da história. E isso faz com que, além dos Estados Unidos a empresa tenha, nos últimos anos, expandido o seu negócio para 18 países do mundo e, a partir de outubro, para Portugal. De acordo com o Business Insider, a startup ocupa o 5.º lugar no ranking das maiores startups do mundo que ainda não avançaram para IPO, com uma avaliação de 38 mil milhões de dólares.

No lançamento em Portugal, a JUUL vai lançar quatro sabores: tabaco, manga, baunilha e menta.JUUL

Como tudo começou

No caso da JUUL, foi do vício difícil de contornar que surgiu a oportunidade. Adam Bowen e James Monsees, colegas de universidade em Stanford e agora ambos ex-fumadores, nunca tinham conseguido deixar de fumar. Foi do desafio universitário de desenvolverem um trabalho de final de curso que surgiu a ideia de desenvolver uma alternativa não combustível, mas que suprisse as necessidades de nicotina que o corpo teimava em pedir.

Dez anos depois das primeiras experiências lançavam, no verão de 2005, a JUUL, um dispositivo que usa nicotina líquida eficaz e sem fumo. “Em vez de gerar combustão, o JUUL usa nicotina líquida, desenvolvida pela JUUL Labs, para gerar vapor”, explica a empresa em comunicado.

Em 2018, os dois fundadores foram considerados pela revista Time das 100 personalidades mais influentes do mundo.

Os fundadores da JUUL, Adam Bowen e James Monsees, trabalharam 10 anos no desenvolvimento de produto.D.R.

No mercado português existem 1,6 milhões de fumadores adultos de cigarros combustíveis e desses, quase 40% tentaram já pelo menos uma vez deixar de fumar, sem sucesso. No arranque no mercado nacional, a empresa lança o cigarro eletrónico com quatro sabores disponíveis: tabaco, baunilha, manga e menta.

Em termos de preço, o kit base da JUUL custará 34,99 euros (dispositivo + starter pack) e o pacote de quatro recargas 11,99 euros. O pacote de duas recargas custará 6,99 euros. Já no lançamento, a JUUL terá disponível para o mercado português as versões de 9mg/ml e 18mg/ml de nicotina.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Decacórnio JUUL chega a Portugal. Quer ser alternativa para 1,6 milhões de fumadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião