Galp sobe mais de 3% à boleia do petróleo. Lisboa contraria Europa

A petrolífera portuguesa foi a estrela da sessão, num dia marcado pela forte subida do preço do petróleo, devido ao ataque que arrasou metade da produção Arábia Saudita.

Com os preços do petróleo estão a disparar, os títulos da Galp Energia encerraram a primeira sessão da semana a somar mais de 3%. Isto depois do ataque rebelde que arrasou metade da produção saudita de petróleo. O desempenho da petrolífera elevou os ganhos na bolsa de Lisboa, naquela que foi a primeira sessão da semana, contrariando, assim, o comportamento registado nas suas congéneres europeias.

O índice de referência português, o PSI-20, terminou a sessão a valorizar 0,45% para os 5.071,6 pontos. Lá fora, o sentimento foi bem distinto. O Stoxx 600 recuou 1%, enquanto o francês CAC caiu 0,94% e o espanhol IBEX recuou 1,82%.

Por cá, entre as 18 cotadas, nove ficaram em “terreno” verde, sete encerram a negociação em queda e duas ficaram na linha de água. O destaque vai, contudo, para a Galp Energia, que foi a cotada que mais brilhou nesta sessão. Os títulos da petrolífera portuguesa avançaram 3,27% para 13,595 euros, numa altura em que o petróleo continua a subir. O barril de Brent avança 12,34% para os 67,65 dólares.

É o melhor desempenho da empresa liderada por Gomes da Silva em quase cinco meses. Desde a sessão de 23 de abril — em que as ações da Galp somaram 3,85% — que a empresa não registava um desempenho tão expressivo.

A explicar a subida do preço do petróleo e, também, a valorizar da Galp Energia está o ataque com drones às instalações da petrolífera estatal saudita Aramco, que fez com que, de um momento para o outro, a Arábia Saudita perdesse metade da sua capacidade de produção de petróleo.

Além da Galp, também a EDP e o BCP contribuíram para os ganhos em Lisboa, com valorizações de 0,64% para 3,438 euros e 0,28% para 21,4 cêntimos, respetivamente.

A impedir ganhos mais expressivos estive, sobretudo, a Jerónimo Martins, que desceu 0,48% para 15,71 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp sobe mais de 3% à boleia do petróleo. Lisboa contraria Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião