Investidores à espera de corte de juros da Fed. Wall Street acelera

Enquanto esperam pela decisão sobre o rumo da política monetária, os investidores norte-americanos reagiram bem à notícia de que a Arábia Saudita vai estar a produzir em pleno no final do mês.

A reunião de política monetária da Reserva Federal (Fed) norte-americana está no centro das atenções dos investidores, que esperam um novo corte das taxas de juro. Além disso, também a notícia de que a Arábia Saudita vai estar a produzir em pleno no final do mês animou as bolsas norte-americanas, que encerraram a negociação desta terça-feira em alta.

Os investidores estão à espera da decisão da Fed sobre o rumo da política monetária norte-americana. É esperado que Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana, anuncie um novo corte da federal funds rate em 25 pontos base, para um intervalo entre 1,75% e 2%.

A animar os investidores esteve, ainda, a notícia de que a Saudi Aramco — que viu, de um momento para o outro, metade da produção de petróleo desaparecer, depois de um ataque com drones às suas instalações — garantiu que irá voltar a produzir em pleno até ao final de setembro.

A empresa saudita afirmou que o ataque teve um “impacto massivo”, mas que rapidamente começou a trabalhar no sentido de restabelecer as operações, uma vez apagados os incêndios provocados pelos drones. O ataque fez tremer os mercados, mas a Arábia Saudita imediatamente avançou que iria recorrer às reservas do país para colmatar a oferta.

O Brent, referência para o mercado europeu, chegou aos 72 dólares, mas está novamente abaixo dos 65 dólares, caindo 7,10% para 64,12 euros. Em Nova Iorque, o WTI, referência para o mercado norte-americano, recua 6,12% para 59,05 dólares.

Neste contexto, o S&P 500 encerrou a sessão a valorizar 0,25% para os 3.005,45 pontos, enquanto o industrial Dow Jones subiu 0,12% para os 27,108,29 pontos e o tecnológico Nasdaq avançou 0,12% para 27.108,29 pontos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores à espera de corte de juros da Fed. Wall Street acelera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião