Artur Neves não vai ser substituído. Eduardo Cabrita acumula pasta da Proteção Civil até final da legislatura

O secretário de Estado da Proteção Civil demissionário não vai ser substituído, passando a sua pasta a ser acumulada pelo ministro da Administração Interna até ao final da legislatura.

Face à aproximação do fim da legislatura, Artur Neves não será substituído no cargo de secretário de Estado da Proteção Civil, do qual se demitiu esta sexta-feira. A pasta que até então estava nas suas mãos passará, assim, a ser da responsabilidade do ministro da Administração Interna até outubro, informou o gabinete do primeiro-ministro.

Aceitei o pedido de exoneração do secretário de Estado da Proteção Civil. Quero nesta ocasião agradecer a Artur Neves o contributo decisivo para a forma como decorreram e se implementaram as mudanças nas operações de Proteção Civil, especialmente na execução da reforma do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, tendo o seu empenho pessoal sido determinante nos resultados obtidos em 2018 e até ao momento do corrente ano”, sublinhou o gabinete de António Costa, no comunicado divulgado esta tarde.

Artur Neves apresentou a sua demissão esta quarta-feira, dia em que mais de 50 de locais — incluindo o gabinete de Neves — foram alvo de buscas por parte da Polícia Judiciária, no âmbito da investigação à compra de golas antifumo. A RTP avançou, nesse sentido, que o governante demissionário foi constituído arguido neste caso, na sequência das diligências desta manhã, e a SIC Notícias revelou que estão em causa suspeitas de fraude e corrupção.

Com a aproximação do fim da legislatura, não será, contudo, indicado qualquer outro nome para o cargo deixado vago por Artur Neves, ficando Eduardo Cabrita responsável por assegurar “as competências até agora cometidas ao secretário de Estado da Proteção Civil”.

A polémica das golas inflamáveis estalou no final de julho, com a revelação de que esses materiais distribuídos às populações ao abrigo da iniciativa Aldeia Segura eram, afinal, inflamáveis e podiam mesmo provocar crises respiratórias agudas.

Entretanto, foi aberto um inquérito para averiguar as suspeitas de participação económica em negócio e desvio de subsídio. Isto porque a aquisição das cerca de 70 mil golas foi feita com recurso a dinheiro do fundo de coesão europeu, tendo custado mais de 125 mil euros no total, o dobro do valor de mercado destes artigos fabricados em poliéster.

Também a empresa privada envolvida no negócio com o Estado fez soar os alarmes. A compra das golas foi feita à Foxtrot – Aventura, Unipessoal Lda., constituída em dezembro de 2017 e dedicada a atividades não relacionadas, como o “turismo de natureza” ou a “exploração de parque de campismo e caravanismo”. Segundo a Sábado, a empresa é detida por Ricardo Peixoto Fernandes, esposo de Isilda Gomes da Silva, que é a presidente da Junta de Freguesia de Longos, no concelho de Guimarães, eleita pelo Partido Socialista (PS).

(Notícia atualizada às 18h20).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Artur Neves não vai ser substituído. Eduardo Cabrita acumula pasta da Proteção Civil até final da legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião