PSD, BE e PCP pedem nova taxa para financiar Segurança Social. Costa diz que solução já existe

PSD, BE e PCP defendem a criação de uma nova taxa sobre o valor acrescentado das empresas para reforçar a sustentabilidade da Segurança Social. PS e CDS rejeitam essa ideia.

O PSD, o Bloco de Esquerda e o PCP defendem a criação de uma nova taxa sobre o valor acrescentado das empresas para financiar a Segurança Social. Uma ideia que nem agrada o CDS-PP nem colhe apoio junto do PS. No debate desta quarta-feira, António Costa rejeitou tal caminho, considerando que a atual consignação de até dois pontos da receita do IRC já serve esse propósito de reforço da sustentabilidade da Segurança Social, tal como a consignação da receita do imposto Mortágua.

“O financiamento da Segurança Social não pode repousar exclusivamente sobre o fator do trabalho, a TSU não pode ser exclusivamente sobre os salários, já que há empresas que não são de mão-de-obra intensiva, são de capital intensivo“, salientou Rui Rio, no primeiro frente-a-frente entre os seis partidos com assento parlamentar e que estão na corrida à Assembleia da República, transmitido pela Antena 1, Renascença e TSF.

O líder do PSD defendeu, assim, a criação de uma nova taxa sobre o valor acrescentado das empresas para reforçar a sustentabilidade da Segurança Social. “Essa contribuição deverá fazer-se através da tributação do valor acrescentado líquido, evitando tributar o investimento, deduzindo o montante das contribuições pagas sobre a massa salarial”, é detalhado no programa eleitoral do partido laranja.

No debate desta manhã, a esquerda aproveitou também para apoiar a proposta, lembrando que esta medida tem sido há muito sugerida pelo BE e pelo PCP. “É uma boa ideia”, frisou Catarina Martins, atirando logo de seguida uma crítica ao partido de Rui Rio: “O PSD, quando podia ter feito, não quis, mas agora que não pode quer”.

Jerónimo de Sousa também disse estar a favor de uma taxa a aplicar sobre o valor acrescentado, já que há empresas que chegam “ao fim do ano com lucro fabuloso”, porque não têm “encargos laborais” à boleia da robotização.

Já Assunção Cristas descartou tal proposta, considerando que — mesmo face à automação dos processos produtivos — não se deve ponderar tal taxa, uma vez que, nesse cenário, “se há menos pessoas a trabalhar, há menos a receber pensões”. “O modelo contributivo é justo. O que é preciso é explicar às pessoas com o que podem contar e estimular para que façam as suas poupanças”, defendeu a centrista.

Também António Costa rejeitou a ideia da criação de uma nova taxa para financiar a Segurança Social, considerando que a consignação de até dois pontos da receita do IRC já serve esse propósito. O líder do PS e atual primeiro-ministro em funções reforçou que há um consenso a nível internacional de que taxar o valor acrescentado líquido desincentiva a modernização e o desenvolvimento tecnológico das empresas.

António Costa aproveitou ainda para lembrar que, atualmente, o Adicional ao IMI (AIMI) está consignado ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, reforçando a sustentabilidade do sistema. De notar, contudo, que, de acordo com o Tribunal de Contas, com a Unidade Técnica de Apoio Orçamental e com o Conselho de Finanças Públicas ainda não foi transferido o montante total cobrado no quadro desse imposto. De acordo com o relatório mais recente do Conselho de Finanças Públicas, Governo tem ainda por transferir 172 milhões para a almofada das pensões.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

PSD, BE e PCP pedem nova taxa para financiar Segurança Social. Costa diz que solução já existe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião