PSD propõe rejeição da carga fiscal e reformas na Justiça e Segurança Social

  • Lusa
  • 18 Abril 2019

Resolução dos sociais-democratas pede estratégia onde redução do défice e da dívida pública assente num caminho de consolidação orçamental mais saudável e sustentável e não numa carga fiscal recorde.

O PSD apresentou esta quinta-feira no parlamento projetos de resolução para rejeitar o Programa de Estabilidade (PE) do Governo, propondo reformas da Justiça e Segurança Social, redução de défice e dívida, sem aumentar carga fiscal nem reduzir investimento público.

Segundo a resolução, que “rejeita a estratégia económica e orçamental prevista no Programa de Estabilidade 2019-2023”, há uma “dececionante desaceleração económica que já se verifica e que é reforçada pela forte revisão em baixa do crescimento (…), numa trajetória que tem vindo a atirar Portugal cada vez mais para a cauda da Europa”.

Os sociais-democratas criticam o facto de o PE, apresentando segunda-feira pelo executivo socialista, continue a “manter a carga fiscal em máximos de sempre, ficando acima ou à volta da barreira dos 35% que nunca antes fora atingida e resultando até que o conjunto das medidas do PE 2019-23 aumentam impostos em 70 milhões de euros”.

O projeto de resolução do PSD sublinha que o PE “continua a sacrificar o investimento público, que se mantém em níveis historicamente baixos e aquém do necessário até para a mera reposição do ‘stock’ de capital do Estado (…), num reconhecimento de que as promessas governamentais de aumentos foram sempre frustradas e o investimento público na atual legislatura foi o mais baixo de sempre”, além da ausência de “uma estratégia ou medidas efetivas para promoção do emprego de qualidade” ou “capacidade para resolver o problema do trabalho precário e baixos salários, especialmente para os mais jovens”.

No PE, o Governo manteve a meta de défice de 0,2% do PIB, apontando agora para um crescimento de 1,9% em 2019. A nova previsão traduz um decréscimo de 0,3 pontos percentuais face aos 2,2% que o Governo antecipava no Orçamento do Estado, mas supera as previsões dos restantes organismos. O Governo antecipa um crescimento de 2% do PIB em 2021 e 2022, prevendo uma expansão da economia de 2,1% em 2023.

No outro projeto de resolução do PSD, a ser debatido na sessão plenária da Assembleia da República de quarta-feira, dedicada ao PE e ao Plano Nacional de Reformas, é defendida “uma estratégia de redução do défice e da dívida pública que assente num caminho de consolidação orçamental mais saudável e sustentável, ao invés da atual estratégia de aumento da carga fiscal para máximos de sempre e de redução do investimento público, que conjuntamente com elevadas e arbitrárias cativações têm causado degradação e rutura nos serviços públicos”.

A outra proposta dos sociais-democratas é “um real conjunto de reformas estruturais, concretas, efetivas e credíveis, promotoras de um crescimento sustentável, que preparem reforcem a competitividade externa da economia portuguesa e a preparem para um ciclo económico menos favorável, apostando na reforma da Justiça e da Segurança Social e adotando medidas de estímulo ao investimento, exportações, produtividade, poupança, criação de emprego mais qualificado e remunerado, aumento do valor acrescentado e inovação”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD propõe rejeição da carga fiscal e reformas na Justiça e Segurança Social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião