Mário Centeno diz que “verdadeira convergência” com Zona Euro vê-se na taxa juro

Ministro recusou ter um discurso para consumo interno e outro para externo e realçou que em ano eleitoral é preciso assegurar que "não se tomam decisões que condicionem quem vem a seguir".

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considera que a convergência (ou divergência) entre Portugal e a Zona Euro é sobretudo uma questão de copo meio cheio ou meio vazio. Se os críticos realçam que as economias de riqueza similar à portuguesa estão a crescer quase o dobro, o governante aponta que Portugal, face a esses mesmos países, está a reduzir o desemprego e a dívida de forma mais significativa.

“Dentro desses países, Portugal reduz o desemprego de forma mais significativa e o endividamento também. A economia portuguesa chegou mais tarde a este ciclo de crescimento que esses países, que têm menos dívida e uma consolidação das contas feita antes da nossa”, referiu em entrevista à TVI, esta segunda-feira. Mas não é só no desemprego ou no ritmo de redução da dívida que Portugal compara positivamente com o conjunto de países comparáveis.

“É muito importante termos noção que Portugal paga hoje muito menos pela dívida do que há três anos e muito menos em comparação com outros países. A diferença nas taxas de juro reduziu-se muito significativamente e esse é o verdadeiro sucesso da convergência, o que mostra mais claramente esse sucesso“, explicou. Para Centeno, “sem este trajeto estaríamos a pagar mais juros e o regresso à normalidade na administração pública portuguesa seria feita de forma mais lenta”.

Questionado sobre o crescimento estimado na despesa pública para os próximos anos, o ministro da Finanças referiu que as projeções que surgem no Programa de Estabilidade são “muito cautelosas”, especialmente nas que dizem respeito à despesa. Mas explicou que as exigências têm preços. “Não podemos querer serviços de saúde e educação de melhor qualidade e não querer gastar mais nesses serviços”, explicou.

Aproveitando a “cautela” associada a este programa de estabilidade, Mário Centeno também deixou o alerta que apesar de o país atravessar um ano de eleições, é preciso não serem tomadas decisões que condicionem o futuro. “Temos de garantir que não tomamos decisões que condicionem significativamente quem vem a seguir”, disse, já a propósito das diferenças que o programa de estabilidade poderá vir a ter face ao programa eleitoral do Partido Socialista.

No final da entrevista à TVI, o governante ainda abordou as críticas de quem apontou que tem um discurso para consumo interno — já não há austeridade — e outro para consumo externo — economia portuguesa ainda está em austeridade — para garantir que o seu discurso é “exatamente o mesmo”, tanto para fora como para dentro do país. Apontou todavia que na recente entrevista a um meio internacional, houve “uma interpretação livre do que o ministro das Finanças disse”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Centeno diz que “verdadeira convergência” com Zona Euro vê-se na taxa juro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião