Certificados voltam a crescer. Aplicações engordam 646 milhões até agosto

Os certificados do Tesouro continuam a ser o principal motor do crescimento das aplicações nos produtos de poupança do Estado. Angariaram 68 milhões de euros em agosto. Aforro cresceram 13 milhões.

Os produtos de poupança do Estado voltaram a engordam em agosto. As aplicações aumentaram em 81 milhões de euros, com o valor do investimento total a crescer perto de 650 milhões de euros no acumulado do ano. A maior parte do dinheiro continua a ir para os certificados do Tesouro.

De acordo com o último boletim estatístico do Banco de Portugal, divulgado esta quinta-feira, o investimento em certificados do Tesouro cresceu 68 milhões de euros, em agosto, enquanto as aplicações em certificados de Aforro aumentaram 13 milhões de euros.

As aplicações nos certificados do Tesouro cresceram 530 milhões de euros nos primeiros oito meses do ano, para um total de 16.948 milhões, um máximo histórico. Já os certificados de Aforro ganharam 116 milhões de euros, situando o saldo em 11.988 milhões, um máximo desde setembro de 2017.

Evolução das aplicações nos últimos três anos

Fonte: Banco de Portugal

O investimento dos portugueses em certificados ascendia assim a 28.936 milhões de euros no final de agosto, o que representa o valor mais elevado de sempre, e superando as previsões do Governo.

Quando entrou em 2019 assumia uma saída líquida de mil milhões de euros dos certificados em resultado do fim do prazo dos primeiros Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM), que tinham uma maturidade de cinco anos. A perspetiva era que todo o dinheiro que entrou nestes CTPM e que agora está a ser reembolsado acabasse por ser redirecionado para investimentos alternativos, ainda que parte fosse reinvestida em certificados de Aforro ou CTPC.

Contudo, já por duas vezes este ano, o Tesouro reviu essa primeira estimativa. A primeira foi em abril, com esta a passar de uma perda de mil milhões de euros para uma captação de 400 milhões. Na mais recente apresentação aos investidores, o IGCP subiu ainda mais o valor que prevê arrecadar este ano em certificados, com este a passar para mil milhões de euros, fruto da atração que estes títulos estão a ter junto dos aforradores.

(Notícia atualizada às 11h39 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Certificados voltam a crescer. Aplicações engordam 646 milhões até agosto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião