Costa diz-se “capitão de equipa feliz” com dois pontas-de-lança e um armador de jogo

  • Lusa
  • 19 Setembro 2019

O primeiro-ministro definiu-se "capitão de equipa feliz", dizendo que contou com 2 pontas-de-lança nas finanças e economia, Centeno e Siza Vieira, e com "excelente armador de jogo", Vieira da Silva.

O primeiro-ministro definiu-se esta quinta-feira como “um capitão de equipa feliz” no Governo, dizendo que contou com dois pontas-de-lança nas finanças e economia, Mário Centeno e Siza Vieira, e com “um excelente armador de jogo”, Vieira da Silva.

António Costa deixou esta nota futebolística no final de um almoço promovido pela Confederação do Comércio e Serviços, depois de o presidente desta entidade, João Vieira Lopes, lhe ter pedido para a próxima legislatura uma política com “menos Centeno e mais Siza Vieira”, ou seja, mais menos ministro das Finanças e mais ministro da Economia.

As primeiras palavras do líder do executivo foram precisamente para responder a este desafio que lhe deixara o presidente da Confederação do Comércio e Serviços.

“Considero-me um capitão de equipa feliz, porque posso contar não só com dois pontas de lança – um nas finanças e outro na economia – mas também com um excelente armador de jogo no Ministério do Trabalho”, declarou, numa alusão direita a Vieira da Silva, que, tal como Pedro Siza Vieira, também se encontrava presente no almoço.

De acordo com o primeiro-ministro, Mário Centeno, Pedro Siza Vieira e Vieira da Silva, nesta legislatura, “formaram um triângulo virtuoso”.

“Esse triângulo virtuoso permitiu estabilidade política, recuperação da credibilidade internacional do país – condições fundamentais para Portugal ter mais e melhor emprego, crescimento e redução das desigualdades“, sustentou António Costa.

Comentários ({{ total }})

Costa diz-se “capitão de equipa feliz” com dois pontas-de-lança e um armador de jogo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião