Dois anos depois, valor oferecido pela Media Capital cai para quase metade

Esta é a terceira tentativa de venda da Media Capital, sendo que as duas anteriores foram chumbadas pelos reguladores. Em setembro de 2017, a Altice oferecia 42% mais para deter a empresa.

A Media Capital está mais próxima de ser vendida. A Cofina lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre as ações do grupo de media que detém a TVI. O negócio avalia a empresa em 255 milhões de euros, quase metade do que a Altice tinha oferecido pela Media Capital há menos de dois anos.

De acordo com o anúncio preliminar, publicado este sábado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a dona do Correio da Manhã propõem-se a pagar 2,3336 euros por cada ação da dona da TVI que não é controlada pela Prisa e 2,1322 euros pelas mais de 80 milhões de ações que estão nas mãos do grupo espanhol.

A oferta global ascende, assim, a 180 milhões de euros, mas a Cofina vai ainda assumir a dívida da dona da TVI de 75 milhões de euros. Ou seja, incluindo este montante de dívida (enterprise value), a operação de compra avalia a Media Capital em cerca de 255 milhões de euros.

O valor por ação fica abaixo dos 2,48 euros que as ações da Media Capital valem na bolsa de Lisboa, de acordo com a cotação dos títulos antes de a negociação ser suspensa pela CMVM, no início desta semana. Fica também 42% abaixo do montante que tinha sido proposto pela Altice, em julho de 2017. Na altura, a telecom de Patrick Drahi oferecia 440 milhões de euros à Prisa para ficar com a totalidade do capital da empresa de media.

Ações da Media Capital estão suspensas há quase uma semana

À terceira é de vez?

Esta é a terceira tentativa de venda da Media Capital, sendo que as duas anteriores foram chumbadas pelos reguladores. Em setembro de 2009, foi a Ongoing a tentar entrar no capital da empresa com uma proposta para adquirir 35% da Media Capital, num negócio que avaliava a empresa em 450 milhões de euros.

Na altura, a operação foi chumbada porque o grupo detido por Nuno Vasconcellos já tinha uma participação na concorrente Impresa. Mas a Prisa continuou com intenção de vender e, em setembro de 2017, surgia uma nova proposta. Desta vez, vinha da dona da Meo. Mas o que é que justifica a diferença do preço oferecido agora e há apenas dois anos?

Há vários fatores. Primeiro, o facto de a Prisa querer vender a Media Capital há tanto tempo. Depois, o facto de a TVI ter perdido a liderança para a SIC. Por último, a configuração das próprias ofertas (e o plano de expansão que lhes seguiam).

A proposta da Altice estava acima da prática do mercado. A Media Capital registou uma faturação de 181 milhões de euros, dos quais 151 milhões de euros da TVI. O grupo detido (ainda) pela Prisa apresentou um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) superior a 40 milhões de euros e lucros consolidados de 20 milhões de euros.

Ou seja, a Altice estava disposta a pagar um múltiplo de 11 vezes o EBITDA, enquanto a proposta da Cofina tem subjacente um múltiplo de seis vezes. E há uma diferença muito relevante entre uma eventual compra da Media Capital pela Altice ou pela Cofina, que o explica.

Enquanto o primeiro negócio assumia a figura de uma consolidação vertical — ou seja, entre empresas de diferentes setores, no caso, telecomunicações e media –, a tentativa de compra pela Cofina é uma integração horizontal, acontecendo entre duas empresas do setor de media.

Reguladores ainda têm de aprovar

O negócio ainda não está fechado. Para que a compra da TVI por parte da Cofina tenha sucesso é necessário que estejam reunidas algumas condições nomeadamente que a Autoridade da Concorrência não se oponha ao negócio, mas também que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) dê luz verde à operação tal como os acionistas da Prisa.

Além do valor, a diferença no negócio também poderá limitar os entraves levantados pelos reguladores. Por exemplo, em meados de 2018, quando a Autoridade da Concorrência (AdC) pôs a descoberto o que pensava de uma Media Capital detida pela Altice, o regulador falou em custos na ordem da centena de milhar para as empresas concorrentes.

Segundo a AdC, comprando a TVI, a Altice passaria a deter “um nível de poder económico que lhe daria a capacidade e o incentivo para implementar diversas estratégias de encerramento dos mercados à concorrência”. Nomeadamente, subindo os custos que as outras plataformas de TV — Nos, Vodafone e Nowo — teriam de pagar à Media Capital para poderem distribuir os canais do grupo. Pior: a Meo, querendo, poderia até bloquear o acesso das operadoras concorrentes aos canais da TVI (algo que a Altice garantiu que nunca iria fazer, apesar de o risco existir).

Este problema não se coloca quando o negócio em cima da mesa é com a Cofina. O grupo de Paulo Fernandes não detém uma plataforma de TV, mas sim um canal de televisão, distribuído nas quatro plataformas, e o jornal que é líder de vendas no país. No entanto, a autoridade ainda terá de se pronunciar sobre o negócio.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Dois anos depois, valor oferecido pela Media Capital cai para quase metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião