PCP já enviou ao BE e PEV proposta de pedido de fiscalização da nova lei laboral

PCP já enviou ao Bloco de Esquerda e ao PEV uma proposta de requerimento para a fiscalização da constitucionalidade das alterações à legislação laboral.

O PCP já enviou ao Bloco de Esquerda e ao PEV uma proposta de requerimento para a fiscalização sucessiva da nova lei laboral, indicou ao ECO fonte comunista. Na proposta em causa, o PCP propõe a análise da constitucionalidade não só do alargamento do período experimental, mas também da generalização dos contratos de muito curta duração e da caducidade da contratação coletiva.

A revisão do Código do Trabalho foi aprovada no final de julho com os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD e CDS-PP e os votos contra do PCP e do BE. Quase um mês depois, o Presidente da República deu “luz verde” às alterações à lei laboral, indicando como uma das justificações para tal decisão os “sinais que se esboçam de desaceleração económica internacional e a sua virtual repercussão no emprego em Portugal”.

Na nota que acompanhou a promulgação deste diploma, Marcelo Rebelo de Sousa fez ainda questão de frisar que o acórdão do Tribunal Constitucional que rejeitou, há 11 anos, o alargamento do período experimental para os trabalhadores indiferenciados não se aplica a uma das normas mais polémicas deste nova lei laboral — o alargamento do período experimental para trabalhadores à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração — deixando assim um recado aos partidos de esquerda, que já tinham anunciado a intenção de enviar essa alteração para os juízes do Palácio do Ratton.

O aviso do Presidente da República não levou, contudo, a esquerda a desistir, tendo o comunista João Oliveira anunciado, a 20 de agosto, que daria entrada no Tribunal Constitucional um pedido de fiscalização sucessiva da revisão do Código do Trabalho, com o apoio do Bloco de Esquerda e do PEV.

Um mês depois, os comunistas enviaram este fim de semana a esses grupos parlamentares uma “proposta de requerimento para a fiscalização da constitucionalidade das alterações à legislação laboral”, apurou o ECO. “Prevê-se que a entrega do requerimento no Tribunal Constitucional possa ocorrer em breve”, garantiu a mesma fonte.

Além do alargamento de 90 para 180 do período experimental para trabalhadores à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração, o PCP propõe que se analise a constitucionalidade da “generalização e facilitação do recurso aos contratos de muito curta duração, bem como da caducidade da contratação coletiva”.

Com a nova lei laboral (que entra em vigor já a 1 de outubro), os contratos de muito curta duração sofrem um duplo alargamento: por um lado, a sua duração máxima passa de 15 para 35 dias e, por outro, passam a estar disponíveis em todos os setores, bastando que a empresa alegue acréscimo excecional de trabalho e esteja provado que o seu ciclo anual apresenta tais irregularidades (por exemplo, devido à sazonalidade). É essa última parte que o PCP contesta.

Quanto à contratação coletiva, os deputados aprovaram a caducidade do contrato coletivo de trabalho por extinção de uma das partes, quer esteja em causa a extinção de associação sindical ou associação de empregadores outorgantes.

De notar que fora deste pedido de fiscalização deverá ficar a nova contribuição adicional para as empresas que recorrem em excesso aos contratos a prazo, norma que também gerou alguma polémica junto das bancadas da esquerda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP já enviou ao BE e PEV proposta de pedido de fiscalização da nova lei laboral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião