Afinal quem é mais Centeno: PS ou PSD?

São todos Centeno, mas PS e PSD disputam quem é mais. António Mendonça Mendes diz que estas é "a herança que fica desta legislatura". Joaquim Sarmento aplaude "conversão" dos partidos.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e candidato do Partido Socialista pelo círculo eleitoral de Setúbal, António Mendonça Mendes, defendeu esta terça-feira que “a herança que fica desta legislatura é a importância das contas certas” e que esse é um mérito do atual Governo, num debate em que o porta-voz para as Finanças do PSD, Joaquim Sarmento, aplaudiu a “conversão de todos os partidos com assento parlamentar aos conservadores orçamentais”.

Numa espécie de discussão sobre quem chegou primeiro, o Centeno de António Costa ou de Rui Rio, PS e PSD disputaram esta terça-feira o mantra das contas públicas equilibradas, num debate promovido pela Associação dos Diretores de Empresas (ADP) em Lisboa, que juntou António Mendonça Mendes, Joaquim Miranda Sarmento e Adolfo Mesquita Nunes, o atual coordenador do programa eleitoral do CDS-PP.

António Mendonça Mendes foi o primeiro a levantar o tema, quando reforçou a importância de manter o quadro de equilíbrio das contas públicas que caracterizou a governação do Ministério das Finanças na legislatura que chega ao fim e de construir sobre esse legado.

Também é uma boa notícia sabermos que temos as nossas contas públicas em ordem. Isso agora dá-nos uma enorme responsabilidade, a responsabilidade de não desbaratar os sacrifícios que tantas e tantos fizeram ao longo dos últimos anos, e não desbaratar o trabalho que tantas e tantos fizeram e bem ao longo dos últimos anos”, disse o socialista, que repetiu o mantra das “contas certas”.

A resposta surgiria pouco depois por Joaquim Miranda Sarmento, o atual porta-voz do PSD para as Finanças (e segundo Rui Rio o próximo ministro das Finanças, caso o PSD vença as eleições de 6 de outubro). Joaquim Sarmento aplaudiu — com alguma ironia — a defesa da importância do equilíbrio orçamental por todos os partidos com assento parlamentar neste período inicial de campanha.

“Não posso deixar de saudar aquilo que chamo de a conversão de todos os partidos com assento parlamentar aos conservadores orçamentais. Não há hoje um partido com assento no Parlamento que não defenda as contas públicas equilibradas. Mesmo os partidos mais encostados à esquerda estão hoje conscientes daquilo que aconteceu no final da década passada e que resultou na intervenção da troika, e querem hoje contas públicas equilibradas”, disse o porta-voz do PSD para as Finanças.

O atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais não deixou o social-democrata sem resposta e disse que “a herança que fica desta legislatura é a importância das contas certas, esse é um mérito deste Governo inquestionavelmente”, em alusão aos resultados conseguidos na redução do défice, e lembrou a descrença na viabilidade da solução governativa encontrada em 2015.

António Mendonça Mendes disse que o PS não vai “participar num leilão de propostas” em período eleitoral, acusando o PSD e o CDS-PP de o estarem a fazer, apesar de serem partidos que apelam à responsabilidade orçamental. “O que queremos é continuar a acrescentar valor ao país”, disse.

A disputa não terminou aqui, com Joaquim Sarmento a lembrar que a redução do défice conseguida na anterior legislatura foi superior à conseguida agora e numa conjuntura mais difícil, e que os socialistas terão conseguido alcançar este resultado graças às medidas tomadas pelo Governo de Pedro Passos Coelho e pela ação do Banco Central Europeu.

CDS insiste na redução da carga fiscal

O centrista Adolfo Mesquita Nunes não deixou passar a oportunidade de ter presente o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais neste painel e apresentou as suas propostas para a redução da carga fiscal, nomeadamente a redução da taxa de IRC dos atuais 21% para 12,5%, a taxa praticada na Irlanda (a segunda mais baixa da União Europeia).

António Mendonça Mendes questionou como seria paga essa redução e disse que esta medida acabaria com o equilíbrio das contas públicas logo no primeiro ano. “E depois do primeiro ano como se pagava essa redução?”, questionou.

Mas o ex-deputado do CDS retorquiu, usando a argumentação do Governo para questionar quando seria altura de baixar a carga fiscal.

“Primeiro não se pode baixar impostos porque há défice. Agora que não há défice, não se pode baixar impostos porquê?”, questionou, ficando sem resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal quem é mais Centeno: PS ou PSD?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião