Multa da AdC? “Má para a reputação” da banca, mas DBRS diz que é “altamente gerível”

A DBRS acredita que a multa da Autoridade da Concorrência à banca nacional por cartel no crédito, no valor de 225 milhões de euros, "é gerível".

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou multas a 14 bancos nacionais pela prática de cartel no crédito, uma decisão que vem fazer mossa na reputação do sistema financeiro português, na perspetiva da DBRS. Os bancos foram multados em 225 milhões de euros, valor que deverá baixar com os recursos interpostos pelos bancos. Mesmo que não seja inferior, a agência de notação financeira canadiana diz que o impacto nas contas “é gerível”.

“Esta multa é negativa para a reputação do setor, mas a DBRS não prevê um aumento do risco reputacional para os bancos, neste momento”, diz a agência de rating, desvalorizando também o impacto financeiro das coimas aplicadas ao setor.

“Na perspetiva da DBRS, o impacto das multas é altamente gerível por parte do setor financeiro português. As multas, assumindo que o valor terá de ser pago na totalidade, representa apenas cerca de 9% dos resultados antes de impostos de 2019 (7% dos lucros), de acordo com os cálculos” da DBRS.

A suportar a perspetiva da agência está a “recente melhoria nos resultados do setor, fruto dos menores custos operacionais, mas também do progresso na redução do malparado”, diz, salientando, contudo, que o impacto das multas da AdC varia de banco para banco. A CGD recebeu a coima mais pesada, de 82 milhões de euros, seguida do BCP, com uma multa de 60 milhões.

O Barclays não vai pagar nada por ter denunciado o cartel que existiu entre 2002 e 2013, enquanto o Montepio viu a multa reduzida a metade. Ainda assim, entre os bancos seguidos pela DBRS, “o maior impacto potencial [das multas da AdC] é para o Montepio”, já que a coima representa 68% dos resultados antes de impostos.

Provisões? DBRS tem dúvidas

A DBRS duvida que os bancos portugueses acabem por pagar os 225 milhões de euros à AdC, salientando que como os bancos recorreram da decisão, o valor final acabará por ser inferior. Não sabe é se as instituições terão de fazer provisões para estas multas.

“Alguns bancos anunciaram a decisão de recorrer da decisão” da AdC, salienta a DBRS. “Com o recurso, a multa só será paga no final do processo”, o que poderá levar algum tempo a acontecer. “Não é claro se os bancos necessitarão de efetuar provisões para estas multas”, diz a agência numa nota publicada esta terça-feira, 24 de setembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multa da AdC? “Má para a reputação” da banca, mas DBRS diz que é “altamente gerível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião