Saiba como funciona a Dabox, a nova app da Caixa

Fique a conhecer em as respostas a dez questões sobre as funcionalidades da nova app da Caixa que vai permitir agregar as contas de diferentes bancos nacionais de um dado cliente.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) lançou a Dabox, uma app que vai funcionar como um gestor de finanças pessoais e um agregador de contas de diferentes bancos. O banco vai alargar a sua utilização a clientes de outros bancos nacionais até ao final do ano, sendo que já em outubro, começa a permitir que os clientes Caixadireta que a utilizem para fazer pagamentos. Descubra através da resposta a dez perguntas como funciona esta nova app.

1. Quem pode usar?

Numa primeira fase, a app apenas está disponível para clientes CGD com Caixadirecta ativo, mas o objetivo é alargar a sua utilização a clientes de outros bancos nacionais. Está previsto que isso ocorra até ao final do ano.

2. Como aderir?

A app é acessível a clientes da CGD com o serviço Caixadirecta ativo. O download pode ser feito através do telemóvel via Stores (App Store ou Google Play), sendo o registo na app feito através das credenciais Caixadirecta.

3. Tem custos?

Não. A app está disponível gratuitamente para todos os utilizadores que reúnam os requisitos para a ela acederem.

4. O que permite fazer?

Esta app dá uma visão completa de todas as contas bancárias que lhe sejam associadas independentemente do banco em que estejam domiciliadas. Os utilizadores conseguem ter assim uma visão integrada das suas disponibilidades financeiras, mas também o acesso a informação sobre todos os seus movimentos categorizados em, por exemplo, Lar, Alimentação, Transportes, Compras, Lazer e Saúde, entre outros. No total existem oito categorias e 46 subcategorias de agregação de movimentos.

Para além dessa categorização e catalogação automática de movimentos, a Dabox permite ainda a definição de orçamentos e objetivos de poupanças. A ferramenta é ainda complementada por um feed onde vai sendo publicada toda a informação considerada mais relevante face ao perfil e comportamento financeiro do utilizador. Este recebe ainda todas as semanas um resumo da sua atividade financeira, onde será possível identificar, por exemplo, se houve duplicação de cobranças, o somatório de despesas invulgares, ou fazer a simples monitorização de consumos e poupanças.

A partir de outubro, a CGD pretende ainda incluir na app a possibilidade de os utilizadores fazerem pagamentos (transferências, pagamento de serviços, compras, ordens de débito direto).

5. Como funciona?

Para começar a usar a Dabox é necessário adicionar pelo menos uma conta bancária. Esta depois vai categorizar de forma automática os movimentos bancários para dar ao utilizador uma primeira fotografia das suas finanças. O histórico de movimentos considerado é limitado aos últimos dois anos.

É salientado o facto de poderem ser necessários ajustes iniciais nesta categorização, mas com o tempo a app “vai aprendendo” e esta categorização vai sendo melhorada.

É possível adicionar contas de outros bancos para além da CGD, sendo o processo sempre o mesmo. Quanto mais bancos forem adicionados mais agregadora é a visão do utilizador dos seus recursos.

 

6. Como adicionar um banco?

Pode adicionar todos os bancos no momento de adesão à Dabox, esta deve ser feita no ecrã “Adicione o seu Banco”, selecionando a Instituição que pretende e seguir as instruções.

Mas se quiser pode também fazer essa adição mais tarde, já que a opção de adicionar banco está sempre disponível a partir do botão “+” no ecrã “Visão geral”, no separador “Contas” ou nas opções de perfil. Convém é adicionar todos os bancos que são relevantes para o dia-a-dia.

7. Que contas aparecem ao adicionar um banco?

Quando adiciona um banco automaticamente, a app vai buscar todas as contas à ordem tituladas pelo cliente naquela instituição, desde que acessíveis online. Compete ao utilizador excluir aquelas que não são relevantes no seu dia-a-dia.

8. Como é feita a categorização das transações?

A categorização de transações é automática, mas é possível fazer ajustes e melhorias manuais. As categorias e subcategorias são as que estão disponíveis na app. Mas para quem pretenda incluir informação adicional numa despesa pode criar um hashtag ou adicionar uma nota. Os hashtag permitem-lhe depois controlar quanto está a gastar especificamente nesse hashtag – por exemplo: #roupa ou #happyhour.

9. Como funciona a opção de criar orçamentos?

Quando juntou as suas contas todas e conseguiu ter uma imagem completa das suas finanças percebeu que está a gastar demasiado dinheiro em determinadas áreas, é possível criar orçamentos. É possível definir um limite para as despesas numa determinada categoria por um período de tempo. A partir daí, a app passa a monitorizar constantemente o cumprimento do objetivo e o utilizador será avisado se estiver a chegar ao limite definido.

10. Como funcionam os objetivos de poupança?

Se precisar ou quiser poupar, a Dabox também pode ajudar. Por exemplo, se o objetivo for poupar para umas férias para o ano seguinte, é possível definir o valor a poupar, a data em que preciso ter o dinheiro e a conta em que pretende poupar. A app vai dizendo quanto é preciso poupar mensalmente para que o objetivo seja atingido.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saiba como funciona a Dabox, a nova app da Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião