Aumento do turismo trouxe “novas exigências e desafios” a Portugal, diz Siza Vieira

  • Lusa
  • 27 Setembro 2019

"Temos agora mercados novos e que permanecem bastante tempo", disse o ministro da Economia, sublinhando que o crescimento do turismo traz "novas exigências e desafios" ao país.

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, valorizou esta sexta-feira o aumento dos indicadores do turismo em Portugal, mas advertiu que o crescimento deste setor traz “novas exigências e desafios” ao país.

Falando nos Açores, no Dia Mundial do Turismo, Siza Vieira valorizou o caminho recente de Portugal neste setor, destacando, por exemplo, a “diversificação de mercados” que procuram o país, que são agora muito mais do que os quatro tradicionais (Reino Unido, Espanha, França e Alemanha). “Temos agora mercados novos e que permanecem bastante tempo”, disse, dando como exemplo os turistas americanos, brasileiros, chineses, canadianos e israelitas.

No país, foi reduzida a “dependência dos destinos tradicionais, como Algarve, Madeira, Lisboa”, espalhando-se agora o setor “por todo o território”. “Isto aconteceu não por uma quebra dos destinos tradicionais, mas porque fomos capazes de atrair pessoas de todo o mundo e do mercado interno para todo o país”, declarou ainda Pedro Siza Vieira, valorizando o “esforço intenso de promoção externa” do destino Portugal.

No campo das novas exigências que o país agora tem de enfrentar, o governante destacou a digitalização das atividades económicas, sendo secundado neste campo pelo presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro. Para o chefe do executivo regional, “o turismo só valerá a pena nos Açores na medida em que valer para as açorianas, para os açorianos” e para a região no seu todo.

E prosseguiu: “Não nos acomodarmos. O que nos deve motivar e desafiar é o que está à nossa frente, o que ainda falta fazer e temos de fazer melhor e diferente. É aí que reside essa ideia de sustentabilidade. Não nos podemos acomodar nem deslumbrar com o crescimento”.

Já a Confederação do Turismo de Portugal assinalou que, “a manter-se a tendência de crescimento” do setor, “e tudo indica que sim, a necessidade de uma gestão cada vez mais criteriosa do território também deve aumentar”.

“É preciso abandonar a ideia de que temos turistas a mais ou que estes são uma ameaça à sustentabilidade dos destinos. A verdadeira ameaça não está no aumento dos turistas, mas sim na incapacidade de planear e intervir na qualificação dos territórios, na mobilidade, nas infraestruturas aeroportuárias, na segurança pública“, advogou o vice-presidente da entidade, Carlos Moura.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento do turismo trouxe “novas exigências e desafios” a Portugal, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião