Falta de recursos humanos qualificados fragiliza enoturismo português

  • Liliana Garcia
  • 20 Setembro 2019

Estudo apresentado na “Enoturismo no Dão” aponta urgência na formação de profissionais do setor e a criação de uma oferta integrada como principais desafios para captar enoturismo.

Num contexto favorável ao consumo de vinho e de aumento do fluxo turístico, a falta de recursos humanos e uma oferta pouco estruturada evidenciam-se como as principais fragilidades do enoturismo em Portugal, segundo um estudo revelado esta quinta-feira, em Viseu, na conferência Novo Banco “Enoturismo no Dão: Um caminho para o Vinho e para o Turismo”.

Carlos Almeida Andrade, economista chefe do Novo Banco.Sérgio Eira

Durante a conferência, que decorreu na Pousada de Viseu, Carlos Almeida Andrade, economista chefe do Novo Banco, apresentou “Uma visão sobre o setor do Enoturismo”, realçando que os principais fatores de atratividade deste setor em Portugal são a beleza paisagística e histórico-cultural das regiões vinícolas (28%), a reputação e qualidade dos vinhos (22%), bem como a história e tradição do vinho (20%). O economista sublinhou que a escassez de recursos humanos qualificados, bem como a ausência de organização das rotas de enoturismo e a debilidade de sinergias entre a produção do vinho e outros setores associados ao enoturismo representam as principais fragilidades. A estas lacunas soma-se ainda a falta, quer de notoriedade internacional do enoturismo nacional, quer de conhecimentos sobre a qualidade do vinho português.

O estudo aponta que no mercado nacional, o enoturista tem sido predominantemente do género masculino (52%-66%), com poder de compra e nível sócio-cultural médio ou elevado, e português (50%-70%) mas que, no panorama internacional evidenciam-se já alterações em termos de tendência no perfil do enoturista. Assim, começa a notar-se interesse por parte de um público maioritariamente feminino, mais jovem, viajando em grupo, com origem em mercados mais interessados em experiências complementares ao setor vinícola.

Perante esta constatação, Carlos Andrade chamou a atenção para os principais desafios deste setor. Para o economista chefe do Novo Banco, é crucial conhecer o mercado, recolhendo, sistematizando e trabalhando dados estatísticos sobre a procura no mercado, tendo em conta que, a nível global, o enoturista privilegia uma oferta integrada. Além disso, este responsável reforçou a urgência de investimento em capital humano que domine línguas estrangeiras e tenha conhecimento histórico sobre a região onde se insere. ”Se vamos chamar turistas e não temos alguém qualificado para a prestação de serviços, torna-se complicado [ganhar atratividade]”, expressou Carlos Andrade.

Outro dos desafios que se coloca é o investimento no marketing e visibilidade digitais e, nesse sentido, o economista chefe sublinha que, hoje em dia, muitas das escolhas feitas pelos consumidores têm por base a experiência emocional no mundo digital. “O enoturismo deve estar ligado a experiências, emoções, histórias de pessoas”, destacou.

Para que o enoturismo português ganhe impulso, Carlos Andrade disse ainda ser imperativo construir uma oferta integrada, em que se trabalhe em parceria e não de costas voltadas, chamando a atenção para a “coordenação de esforços ao nível de produtores de vinho, associações do setor, unidades de enoturismo, entidades públicas e universidades”. Por fim, o responsável apontou a necessidade de alavancar o desenvolvimento regional, unindo empresas, produtores locais, organismos públicos não só com o objetivo de gerar receitas, mas também de potenciar toda a região.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falta de recursos humanos qualificados fragiliza enoturismo português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião