Mais vinho e fruta. Produções agrícolas deverão ser as melhores em décadas

Vinha, tomate e batata deverão aumentar produtividade em 10%. Já o girassol deverá crescer 5%, enquanto o milho para grão vai manter-se após cinco anos consecutivos de quebras.

Há anos que não se via uma produção agrícola assim. Da vinha, aos frutos secos, passando pela maçã, pelo pêssego ou pelo tomate, as previsões agrícolas sinalizam que se aproximam aumentos na produtividade. Já no milho, a quebra que se vivia há cinco anos deverá chegar ao fim.

“As previsões agrícolas, em 31 de julho, apontam para aumentos de produtividade, face à campanha anterior, na maioria dos frutos frescos e nas vinhas para vinho. Na maçã e no pêssego, a floração e o vingamento dos frutos decorreram em condições bastante favoráveis, prevendo-se rendimentos unitários ao nível dos mais elevados das últimas décadas“, revela o relatório publicado esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatíticas (INE).

Na amêndoa, a entrada em produção das novas plantações também fez aumentar significativamente a produtividade. A situação que, “provavelmente, deverá repetir-se ao longo das próximas campanhas”. Quanto à vinha, o INE antecipa um aumento de 10% face à vindima de 2018.

Igualmente, a colheita de tomate para a indústria (que começou na última semana de julho) indica um aumento de produtividade de 10%, “com os frutos a apresentarem boa coloração vermelha, valorizada pela indústria“. No caso da batata de regadio, a variação positiva esperada é também de 10%, enquanto no girassol será de 5%.

Nas culturas de primavera e verão, “prevê-se a manutenção da área semeada de milho para grão, após cinco anos consecutivos de redução”, aponta ainda o relatório. Também no arroz se prevê a manutenção do rendimento unitário da campanha anterior, com registo de problemas de salinidade nas águas de rega.

As colheitas estão a receber uma ajuda da meteorologia. Julho foi um mês seco, com um valor médio da precipitação de 5,9 mm, cerca de 43% da normal, enquanto a temperatura do ar foi normal e houve bastante vento. “Estas condições meteorológicas permitiram a realização dos trabalhos agrícolas, quer manuais quer mecanizados, e favoreceram, duma forma geral, o desenvolvimento das culturas instaladas”, diz o INE.

Apesar disso, nem todas as plantações foram beneficiadas. Em sentido contrário, nos cereais de outono e inverno, cuja colheita está maioritariamente concluída, a produção deverá ficar abaixo das 200 mil toneladas. A verificar-se, a quantidade representa uma quebra de 11% face à produção registada em 2018.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais vinho e fruta. Produções agrícolas deverão ser as melhores em décadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião