Douro reduz vinho do Porto para 108 mil pipas. Reflexo das quebras nas vendas

  • Lusa
  • 25 Julho 2019

A região do Douro está a registar uma quebra nas vendas. O ano de 2018 terminou com uma redução de cerca de 4% na quantidade de vinho do Porto vendida.

Douro vai transformar 108 mil pipas de mosto em vinho do Porto nesta vindima, uma diminuição de oito mil pipas que reflete uma “perda contínua” nas vendas, segundo representantes da produção e do comércio da região demarcada.

Esta redução reflete uma perda contínua de vendas de vinho do Porto, principalmente em quantidade, o que nos preocupa”, afirmou António Lencastre, vice-presidente do conselho interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) e presidente da Federação Renovação do Douro.

Também António Saraiva, também vice-presidente do conselho interprofissional e responsável pela Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP), elencou como “preocupação a quebra contínua de vendas” e referiu que a proposta de benefício para a vindima de 2019 foi “aprovada por unanimidade” pelas profissões (comércio e produção).

O conselho interprofissional do IVDP, que se reuniu esta quinta-feira no Peso da Régua, distrito de Vila Real, fixou em 108 mil o número de pipas (550 litros cada) a beneficiar nesta vindima. O benefício é a quantidade de mosto que cada viticultor pode destinar à produção de vinho do Porto.

Em 2018, foram transformadas 116 mil pipas de vinho do Porto na mais antiga região demarcada e regulamentada do mundo.

“Com este valor, queremos expressar a nossa preocupação imensa em relação à sobrevivência da região no sentido em que, enquanto o Porto (vinho) cair de vendas, nós estamos a perder economicamente na região”, reforçou António Lencastre.

Este dirigente afirmou que é preciso investir de “todas as maneiras possíveis e imaginárias” na promoção da região.

Tudo aquilo que sair do bolso dos viticultores tem que ir no sentido das vendas. Temos de promover, não podemos ter dinheiro cativo em lado nenhum. As taxas não são impostos e não podemos esquecer que o benefício é uma receita substancial dos viticultores e não podemos conceber que ela, a cada ano, seja posta em risco ou diminuída”, frisou.

Também António Saraiva disse não se conformar com as quebras nas vendas e defendeu que “haja mais investimento público, que o Estado deixe investir e acabe com as cativações dentro do IVDP”.

Segundo o presidente da AEVP, o ano de 2018 terminou com uma redução de “cerca de 4%” na quantidade de vinho do Porto vendida, alavancada pela quebra na ordem dos “24% para o Reino Unido”.

António Saraiva elencou, precisamente, quebras verificadas nos mercados francês e do Reino Unido, destacando o ‘Brexit’ como uma “grande preocupação para o setor do vinho do Porto”.

No entanto, referiu que a diminuição no vinho do Porto vai “ajudar a repor os stocks dos vinhos de denominação de Origem Controlada (DOC) Douro”.

No ano passado, a região sofreu uma quebra na produção global de vinho, prevendo-se para este ano um aumento.

Nesta vindima, segundo previsões da Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID), o Douro poderá produzir entre as 263 mil e 288 mil pipas de vinho, mais 23% do que a média da colheita dos últimos cinco anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Douro reduz vinho do Porto para 108 mil pipas. Reflexo das quebras nas vendas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião