Gran Cruz House: a casa para o vinho do Porto chamar sua

Projeto turístico na Ribeira do Porto é o primeiro do grupo que inclui alojamento. Mas há mais: Quinta do Ventozelo, "o Douro numa quinta", abre ao público em setembro deste ano.

Gran Cruz House é o segundo projeto de turismo do grupo mas o primeiro que inclui alojamento.D.R.

Do quarto do último piso da casa vê-se o rio inteiro. Ou, pelo menos, assim parece. O Douro nasce em Espanha mas é no Porto que desagua. E é imediatamente antes do sítio onde o rio passa a mar que a Gran Cruz decidiu abrir a Gran Cruz House, a estreia do grupo português num projeto turístico com alojamento.

A aposta no enoturismo não é nova para a empresa, a maior exportadora nacional de vinho do Porto: o primeiro projeto foi o terraço do edifício Porto Cruz, no cais de Vila Nova de Gaia, um espaço de provas e de experiências que permite aos clientes terem um primeiro contacto com a marca num espaço totalmente pensado para esse efeito. Mas o grupo quis mais. A casa na Ribeira, um prédio que terá origem no final do século XVI, tem sete quartos e um restaurante, o Casario, cuja cozinha a quatro mãos é da responsabilidade dos chefs Miguel Castro e Silva e José Guedes.

“É um projeto de hotelaria e, esperamos, uma mais-valia para a promoção dos vinhos. Não se trata de ter apenas garrafas nas prateleiras mas de envolver os clientes para que eles possam viver a experiência”, explica ao ECO Elsa Couto, diretora de comunicação do grupo.

Não é para menos: a Gran Cruz é a maior exportadora de vinho do Porto, vendendo cerca de 30 milhões de garrafas por ano, entre marcas próprias — 10 milhões de garrafas –, marcas de supermercado e marcas premium, para mais de 50 países espalhados por todo o mundo. Entre os principais mercados estão países como França, Bélgica e Holanda, e ainda o Canadá, o Brasil e a Rússia a ganhar importância.

"Não se trata de ter apenas garrafas nas prateleiras mas de envolver os clientes para que eles possam viver a experiência.”

Elsa Couto

Diretora de comunicação Gran Cruz

O Tawny room, dedicado a este tipo de vinho do Porto tinto que envelhece em barricas.D.R.

“É um projeto de hotelaria mas com foco na cultura do vinho”, acrescenta. E os quartos, temáticos, são prova desse esforço.

O Douro numa quinta

O projeto da Gran Cruz House pode ser também considerado uma espécie de laboratório do que o grupo portuense está a programar já para o final deste ano. “Para setembro de 2019 está prevista a abertura da Quinta do Ventozelo, um hotel de 29 quartos que é, também, uma quinta inteira”, adianta Elsa Couto.

Comprada pelo grupo Gran Cruz em 2015, aos espanhóis da Proinsa por cerca de 15 milhões de euros, a histórica quinta do Douro é uma das maiores da região (tem cerca de 400 hectares de terreno dos quais 198 são de vinha) é uma espécie de “joia da Coroa” da empresa. “A quinta é rica em tudo o que se possa encontrar: azeite, fruta, caça, desportos de natureza”, enumera a responsável. A mata mediterrânica, acrescenta, completa o bouquet que quer ser o “Douro numa quinta”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gran Cruz House: a casa para o vinho do Porto chamar sua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião