Produção de vinho afunda. Mas foi um ano bom para o azeite

O rendimento da agricultura em Portugal terá aumentado 0,6% em 2018. O ano ficou marcado por condições meteorológicas adversas, em que a produção de vinho afundou, mas a produção de azeite cresceu.

Este ano vai ficar marcado por aumentos expressivos na produção de azeite, e quedas significativas na produção de vinho e de batata. É o que mostra a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura, publicadas esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Num ano marcado por “valores de precipitação e temperatura acima do normal”, em que se registou “um outono muito quente e seco”, seguido de “um inverno igualmente seco mas extremamente frio”, e no qual a “precipitação elevada” apenas se iniciou na primavera, os dados mostram que o rendimento da atividade agrícola em Portugal, por unidade de trabalho, deverá crescer 0,6%. Ainda assim, é um crescimento bem mais modesto do que os 5,4% registados no ano passado.

Vinho teve o pior ano das últimas duas décadas

Em termos de produção vegetal, estima-se um aumento de 0,9% em valor, um decréscimo de 3,1% em volume e um aumento dos preços de base de 4,1%. O destaque vai para as plantas industriais, cuja produção deverá aumentar 5,9%, e para as plantas forrageiras, que terão melhorado a produção em 11,7%. Deverá registar-se ainda um crescimento na produção de cereais, à exceção do arroz e do centeio, e uma subida residual de 0,8% na produção de frutos.

Contudo, as condições meteorológicas adversas e a doença terão resultado numa queda da produção de batata na ordem dos 15%. Em causa está a doença de míldio e a “diminuição da área originada pelo encharcamento dos solos”. O preço de base da batata deverá, por isso, subir na ordem dos 14,7%.

Nota muito negativa para a produção de vinho este ano. “As previsões para 2028 apontam para a menor produção de vinho em quantidade dos últimos vinte anos, tendo decrescido 20% face ao ano anterior, devido ao calor excessivo verificado em agosto”, indica o INE em comunicado. O preço de base deverá subir apenas 0,1%.

Em sentido inverso, nota muito positiva para a produção de azeite, que deverá aumentar 8,7% em volume. “Esta evolução resulta da combinação de duas campanhas com diferentes níveis de produção: a campanha 2017/2018 registou um aumento de 94,1% na sequência da entrada em produção de novas área de olival regado; para a campanha 2018/2019, pelo contrário, prevê-se um decréscimo de 15% face à anterior”, indica o INE. Estima-se que o preço de base aumente 0,3%.

Produção vegetal: variação do volume, preço e valor dos principais produtos em 2018

Fonte: INE

Preço de base do leite vai aumentar 3,4%

Em relação aos produtos animais, o INE perspetiva “um crescimento de 2,2%” na produção animal, com subidas na categoria dos bovinos, ovinos e caprinos e o leite, cujo preço de base deverá registar a subida mais expressiva, na ordem dos 3,4%.

O INE estima “um acréscimo em volume” de 4,3% dos bovinos, resultado do “acréscimo dos abates, essencialmente de bovinos adultos“, e também das “medidas de apoio ao abandono da atividade por parte dos produtores de leite, a partir de agosto de 2018”.

Em sentido inverso, os suínos deverão registar “um decréscimo nominal da produção” de 3,1%, fruto do “aumento do volume” e do “decréscimo dos preços”. O INE explica que o primeiro aspeto deve-se a “um acréscimo dos abates de leitões, porcos para engorda e porcos reprodutores, bem como o peso dos animais abatidos”. Já a diminuição dos preços no produtor é justificada com a “concorrência” do produto importado”.

Produção animal: variação do volume, preço e valor dos principais produtos em 2018

Fonte: INE

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de vinho afunda. Mas foi um ano bom para o azeite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião