Produção de vinho este ano vai ser a mais baixa em duas décadas

  • Guilherme Monteiro
  • 20 Novembro 2018

Onda de calor de agosto e a passagem da tempestade Leslie afetaram de forma expressiva a produção de vinho. INE estima que seja a mais baixa em duas décadas.

O calor que se abateu sobre Portugal em agosto e também a passagem da tempestade Leslie deixaram um rasto de prejuízos elevados nas regiões vinícolas, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE). Assim, prevê-se que a produção de vinho vai ser a mais baixa em duas décadas.

“Na vinha, a extensão dos prejuízos causados pelas elevadas temperaturas foi variável, mas estendeu-se por quase todas as regiões vitivinícolas, prevendo-se uma das menores produções de vinho das últimas duas décadas (5,2 milhões de hectolitros)”, diz o INE. Em 2017, produziram-se 6,5 milhões de hectolitros de vinho.

Os calor excessivo de agosto “causou escaldões nos bagos”, mas foram as primeiras chuvas, a partir de meados de outubro, que prejudicaram a produção vinícola e precipitaram o fim das vindimas, diz o INE.

“Excetuando no Algarve (aumento superior a 5%) e no Alentejo (produção semelhante a 2017), todas as regiões vitivinícolas deverão registar menos produção, prevendo-se uma redução global de 20%, para os 5,2 milhões de hectolitros, a menor das últimas duas décadas”, acrescenta.

Leslie fez mais estragos

Também as searas de milho e arroz do Baixo Mondego e do Pinhal Litoral foram afetadas pela passagem da tempestade Leslie. As searas tinham resistido ao aumento das temperaturas e da insolação no verão e tinham aumentado o número e o tamanho das espigas por planta, o que fazia antever um aumento na produção. Previsões que não chegaram a ser alcançadas visto que os ventos e chuvas fortes acabaram por destruir parte das searas que ainda não tinham sido colhidas.

A produção de milho de sequeiro deverá assim manter-se igual à de 2017, 279 toneladas. Já o arroz poderá registar uma quebra para 171 toneladas, face às 180 toneladas do ano passado.

Mais kiwi. Muito mais castanha

Registo positivo para o kiwi. Apesar de a tempestade Leslie ter destruído 30% dos pomares do Baixo Vouga, a produção deverá rondar as 33 mil toneladas, a segunda maior de sempre. Ultrapassada apenas pela produção do ano passado, que ultrapassou as 35 mil toneladas.

Também a castanha, apesar de ter o ciclo produtivo em atraso, deverá aumentar 5% a produção face ao ano passado e em linha com os últimos cinco anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de vinho este ano vai ser a mais baixa em duas décadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião