Sabia que… Qual é o país que exporta mais vinho na UE?

Os países da União Europeia são grandes produtores de vinho, e em 2017, foram produzidos e vendidos 14,6 mil milhões de litros. Os países do sul destacam-se como os maiores exportadores.

“Dá-me mais vinho, porque a vida é nada”, já dizia Fernando Pessoa. Esta bebida, obtida através da fermentação parcial ou total de uvas frescas, é presença regular nas mesas dos portugueses, e dos europeus no geral. Os países da União Europeia (UE) são simultaneamente exportadores e importadores de vinho, sendo que cada região confere à bebida um sabor característico.

Portugal tem no vinho do Porto um dos ex-libris internacionais do setor, mas existem inúmeras qualidades produzidas nas vinhas do país, a partir de cerca de 250 variedades de uvas nativas. Do vinho produzido em terreno nacional, foram vendidos 1,4 mil milhões de euros, no ano passado.

Em 2017, foram produzidos e vendidos 14,6 mil milhões de litros de vinho na UE, incluindo vinho do Porto e espumante, revelam os dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia, o Eurostat. O pódio dos maiores produtores é constituído por Espanha, Itália e França. Já Portugal é o quarto maior produtor, a quem se segue a Alemanha e a Hungria.

Vinhos nacionais ou importados?

Os estados-membros exportaram 21,9 mil milhões de euros em vinho, no ano passado. Quase metade do comércio realizou-se entre estados-membros da UE, mas os Estados Unidos também são grandes fãs. China, Suíça, Canadá, Japão e Hong Kong completam a lista dos principais clientes estrangeiros do vinho europeu.

Os maiores produtores são também os maiores exportadores, responsáveis pela grande maioria das vendas dos estados-membros. O país que recebe o título de maior exportador é a França, com 41% do total da UE, o que se traduz em 21,9 mil milhões de euros em exportações. Itália ocupa o segundo lugar na lista, ao representar 27% do comércio. A comercialização do vinho italiano rendeu ao país seis mil milhões de euros. Já para os espanhóis, cujos negócios corresponderam a 13% do comércio nos estados-membros, as vendas foram no valor de 2,9 mil milhões.

De Portugal, foram exportados cerca de 779 milhões de euros em vinho em 2017, segundo os dados do Eurostat. Mais de metade foi para países da União Europeia. Os portugueses também apreciaram vinhos importados, nomeadamente cerca de 136 milhões de euros de vinhos oriundos dos estados-membros. O vinho do Porto foi responsável por cerca de 40% das exportações portuguesas de vinho, que rendeu mais de 500 milhões de euros.

Os ingleses e os alemães foram os que mais apreciaram vinho importado. O Reino Unido foi o estado-membro que mais comprou vinho de fora, no valor de 3,5 mil milhões de euros, 27% do total de importações da UE.

Só 20% do vinho foi importado de países fora da União Europeia. O Chile destaca-se, ao ser responsável por 22% das importações de fora dos estados-membros. Este país produz vinho de uma variedade de uva, Carménère, que existia na Europa, mas cujas videiras foram dizimadas por uma praga. O vinho da Austrália também atrai os europeus, bem como dos Estados Unidos e da Nova Zelândia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sabia que… Qual é o país que exporta mais vinho na UE?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião