Vinho português entra em projeto europeu sobre ameaças climáticas

  • Lusa
  • 29 Outubro 2018

O objetivo do projeto financiado pela União Europeia é enfrentar as potenciais ameaças das alterações climáticas a setores agrícolas como o do vinho.

Portugal integra um projeto financiado pela União Europeia (UE) em quase cinco milhões de euros, que tem como objetivo enfrentar as potenciais ameaças das alterações climáticas a setores agrícolas como o do vinho.

O projeto, designado MED-GOLD, começou já em dezembro de 2017 e foi esta segunda-feira apresentado em Vila Nova de Gaia, no quadro da sua primeira assembleia-geral.

O MED-GOLD destina-se aos setores do vinho, azeite e trigo duro e a Sogrape “representa o setor vitivinícola europeu”, com a perspetiva de este ser “mais competitivo e adaptável aos efeitos das alterações climáticas”, explicou o enólogo e administrador daquela empresa Miguel Pessanha.

O diretor de Inovação e Desenvolvimento da Sogrape, António Graça, referiu que este projeto incide sobre “os três principais setores agroalimentares da bacia mediterrânica”, o que explica o envolvimento também de Itália, através da empresa Barill, para o trigo duro, e de Espanha, através da cooperativa andaluza DCOOP, para o azeite.

A coordenação científica é de Luigi Ponti, da agência italiana para o desenvolvimento sustentável, o qual acrescentou que o MED-GOLD “é o maior projeto europeu para a aumentar a resiliência das cadeias agroalimentares”. Ponti reforçou, também, ser crucial “a valorização do investimento que os poderes públicos europeus fizeram” nesse campo científico, fornecendo aos agentes interessados informações sobre o impacto potencial das mudanças climáticas na sua atividade económica.

O MED-GOLD, de acordo com um documento fornecido à comunicação social, pretende recolher, avaliar e caracterizar “séries históricas sobre observações do tempo e do cultivo, que servirão de base para a criação de modelos matemáticos e, a partir destes, para realizar previsões sobre anos agrícolas”.

Com essas informações, empresários, gestores e técnicos poderão tomar decisões sobre “plantações de vinhas, escolhas de locais e de castas e porta-enxertos ou de planeamento operacional de cada campanha, aprovisionamento, vindimas e outras decisões”, explicitou António Graça.

“A utilização de informação climática, que pode incluir previsões para os próximos meses — ou até mesmo projeções relativamente ao estado do clima nos próximos 20, 30, 50 anos — é essencial para o desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão”, reforçou a perita Marta Soares, da Universidade de Leeds.

O MED-GOLD é um projeto para durar quatro anos, financiado a 100% pela União Europeia, no âmbito do Horizontes 2020, e as ferramentas que forem desenvolvidas ficarão disponíveis “para toda a comunidade de utilizadores”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vinho português entra em projeto europeu sobre ameaças climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião