China nega ataques informáticos a empresas subcontratadas da Airbus

  • Lusa
  • 27 Setembro 2019

O Governo chinês garante que o país é "um forte defensor da segurança da rede", negando que piratas informáticos chineses tenham realizado operações de espionagem a fornecedores da Airbus.

O Governo chinês rejeitou esta sexta-feira as alegações de que piratas informáticos chineses tenham realizado operações de espionagem industrial a empresas subcontratadas da fabricante europeia Airbus ao longo dos últimos doze meses.

Posso garantir que a China é um forte defensor da segurança da rede e opõe-se firmemente a qualquer forma de ataque informático“, afirmou o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

A agência France-Presse noticiou na quinta-feira que quatro grandes ataques atingiram empresas subcontratadas da fabricante europeia.

Os subempreiteiros em causa são o grupo francês de consultoria tecnológica Expleo, o fabricante britânico de motores Rolls Royce e outras duas empresas francesas.

As fontes anónimas citadas pela AFP disseram suspeitar que os piratas informáticos, um grupo com o nome de código APT10, atuaram ao serviço da China.

Houve recentemente vários relatos de ataques cibernéticos e, sem qualquer evidência, há quem esteja a tentar sujar a imagem da China”, acusou o porta-voz. “Isto não é profissional nem responsável“, disse.

Segundo as fontes citadas pela AFP, os piratas informáticos tinham como alvo documentos de certificação técnica, um procedimento formal que garante que os vários elementos de uma aeronave atendem aos requisitos de segurança.

A China tenta desenvolver há vários anos o seu primeiro avião de passageiros de dimensão média, o C919, mas até agora sem sucesso.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China nega ataques informáticos a empresas subcontratadas da Airbus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião