Desemprego terá caído para 6,2% em agosto. É mínimo de 17 anos

O INE publicou esta sexta-feira novos dados sobre o mercado de trabalho, numa altura em que se sabe que a economia cresceu mais no primeiro semestre do ano do que se pensava.

A taxa de desemprego terá recuado para 6,2% em agosto, avança esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). No mês passado, o INE tinha revelado que julho teria sido bom para o mercado de trabalho, com a taxa de desemprego a encolher uma décima para 6,5%. Este número era, porém, provisório. E foi agora revisto em baixa para 6,4% na passagem a definitivo.

“Em agosto de 2019, a estimativa provisória da taxa de desemprego foi de 6,2%, tendo diminuído 0,2 pontos percentuais (p.p.) em relação ao mês anterior, 0,4 p.p. em relação a três meses antes e 0,8 p.p. em relação a agosto de 2018”, escreve o INE, acrescentado que “em agosto de 2019, a população desempregada – cuja estimativa provisória foi de 318,8 mil pessoas – diminuiu 4,2% (13,9 mil) em relação ao mês anterior
(julho de 2019), 6,4% (21,9 mil) relativamente a três meses antes (maio de 2019) e 11,6% (41,9 mil) em relação ao mês homólogo”.

Do lado do emprego – a outra face da população ativa – o INE adianta que, em agosto de 2019, “a estimativa provisória da população empregada correspondeu a 4.862 mil pessoas e aumentou 0,4% (18,2 mil) em relação ao mês anterior, 0,5% (23,1 mil) relativamente a três meses antes (maio de 2019) e 1,1% (54,8 mil) em comparação com o mesmo mês de 2018”.

No mês passado, o INE tinha previsto que julho teria sido um bom mês no mercado de trabalho com uma descida de uma décima na taxa de desemprego face a junho. Esta trajetória foi agora consolidada. Assim, a taxa de desemprego provisória era de 6,5% e na passagem a definitivo passou para 6,4%. Esta revisão em baixa resulta do facto de terem sido detetados mais 3,1 mil pessoas empregadas e menos 4,1 mil pessoas desempregadas.

A indicação de melhoria no mercado de trabalho acontece numa altura em que a revisão da base das contas nacionais ditou uma revisão em alta do crescimento económico na primeira metade do ano.

O Governo prevê que a taxa de desemprego seja de 6,6% em 2019, quatro décimas abaixo do registo do ano anterior. Cinco das oito taxas de desemprego mensal conhecidas até agora ficam abaixo da meta do Executivo.

Evolução da taxa de desemprego

Fonte: INE; Valores em % e corrigidos da sazonalidade

Governo destaca que desemprego caiu para metade na legislatura

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, considerou esta sexta-feira que os objetivos para a evolução do mercado de trabalho foram cumpridos na legislatura, destacando que a taxa de desemprego caiu para metade nos últimos quatro anos.

O governante comentava, em declarações à Lusa, os dados definitivos de julho e a estimativa provisória para agosto da taxa de desemprego divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), segundo os quais os valores ficaram em 6,4% e 6,2%, respetivamente.

“Os números do desemprego são positivos, vêm, aliás, na linha do que tem sido a evolução do mercado de trabalho ao longo dos últimos anos”, afirmou Miguel Cabrita, referindo que o aumento do emprego e a diminuição do desemprego registam “volumes correspondentes”.

A estimativa provisória do INE para agosto, de uma taxa de desemprego de 6,2%, é a última estimativa da atual legislatura, pelo que “permite fazer uma comparação com o início da legislatura”, defendeu o secretário de Estado.

O que se verifica é que a evolução do desemprego ao longo destes quatro anos permitiu reduzir para sensivelmente metade a taxa de desemprego com que vamos fechar a legislatura porque em outubro, novembro e dezembro de 2015 estávamos ainda com valores claramente acima dos 12%”, sublinhou Miguel Cabrita.

O secretário de Estado destacou ainda a evolução da taxa de desemprego jovem que, nos últimos quatro anos, desceu de níveis superiores a 30% para taxas “claramente abaixo dos 20%”.

Para Miguel Cabrita, os dados significam que “os objetivos foram cumpridos”, embora haja “desafios para enfrentar”, pois “não quer dizer que todos os problemas estejam resolvidos.

Segundo adiantou, a evolução do mercado de trabalho está alinhada com os vários indicadores que influenciam o emprego, como o crescimento económico, cujos dados foram revistos em alta pelo INE na segunda-feira.

O secretário de Estado afirmou que os resultados devem-se à “política de devolução de rendimentos, ao aumento dos salários e em particular do salário mínimo nacional, mas também a uma dimensão de confiança de todos os agentes económicos, seja dos trabalhadores, das famílias, seja das empresas”.

(Notícia atualizada às 14h05 com declarações do Governo)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego terá caído para 6,2% em agosto. É mínimo de 17 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião