Orey Antunes revê contas de 2018. Agrava prejuízos para 10,77 milhões de euros

  • ECO e Lusa
  • 29 Setembro 2019

A empresa viu os seus prejuízos agravarem-se 426,9% face ao ano anterior, situação que é justifica com as perdas com a descontinuação de determinadas atividades, nomeadamente a financeira.

Após vários adiamentos, a Orey Antunes divulga finalmente o fecho das suas contas de 2018. A empresa liderada por Duarte D’Orey reportou prejuízos de 10,77 milhões de euros, um agravamento de 426,9% face ao resultado negativo de 2,04 milhões registado no ano anterior. Em comunicado enviado ao mercado neste sábado, o grupo justifica as perdas com a descontinuação de determinadas atividades, nomeadamente a financeira.

“O resultado líquido do exercício de 2018 fixou-se num resultado negativo de 10,77 milhões de euros, fruto do impacto das operações das unidades em descontinuação as quais tiveram, em 2018, um impacto negativo de 12 milhões de euros”, lê-se no relatório da empresa divulgado no site da CMVM.

Em 11 de julho, a Orey Antunes apresentou contas não auditadas onde indicava prejuízos menores relativos ao ano passado, de 9,57 milhões de euros.

Nas contas agora conhecidas foram ainda ajustados os valores relativos a “vendas e serviços prestados”, que se fixaram em 68,83 milhões de euros em 2018, contra 80,82 milhões de euros em 2017.

A Orey Antunes indica ainda que foram revistos em alta “outros resultados não operacionais” em 316 mil euros e em baixa o “resultado atribuível a interesses que não controlam” em 140 mil euros.

O grupo tem passado por dificuldades financeiras que o levaram a adiar a apresentação de resultados referentes a 2018. A empresa foi justificando esses adiamentos com o atraso no processo de auditoria com a reestruturação, mas também “decisões estratégicas de 2018 de descontinuação de ativos que levaram a alterações na forma de apresentação” das contas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orey Antunes revê contas de 2018. Agrava prejuízos para 10,77 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião