Draghi: “Fizemos o suficiente? Sim e podemos fazer ainda mais”

  • ECO
  • 30 Setembro 2019

A um mês de deixar a presidência do banco central, o italiano volta a alertar para a necessidade de a política orçamental impulsionar os resultados da política monetária na Zona Euro.

A um mês de abandonar o cargo de presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi considera que a política monetária da Zona Euro teve sucesso na recuperação da crise económica e financeira. A desaceleração da economia traz novos desafios e o italiano diz que o BCE vai fazer ainda mais, mas é preciso que a política orçamental dos governos colabore.

“Fizemos o suficiente? Sim, fizemos o suficiente e podemos fazer ainda mais. O que é que falta? A resposta é a política orçamental. É essa a grande diferença entre a Europa e os EUA”, afirmou Draghi, em entrevista ao Financial Times (acesso condicionado).

Mario Draghi, que esteve à frente do BCE ao longo de oito anos, foi responsável por conduzir a política monetária europeia ao longo da crise. Após ter dito que faria “tudo o que fosse preciso” para salvar o euro, em 2012, levou as taxas de juro do banco central para mínimos históricos e lançou um mega programa de compra de ativos.

Estas medidas foram vistas como fundamentais para manter a liquidez nos mercados e permitir a países em crise conseguirem financiar-se. Mas o italiano foi alvo de duras críticas, especialmente da Alemanha. Sobre a oposição, Draghi afirma, ao FT, que os “opositores ao euro” não foram bem-sucedidos.

O que Draghi não conseguiu foi normalizar a política monetária. Com os juros ainda em mínimos e o programa de compras ainda por terminar, o BCE anunciou no mês passado uma redução da taxa de depósitos para -0,5% (menos 0,1 ponto percentual que a anterior taxa) e relançou as aquisições de ativos em 20 mil milhões por mês. Na mesma altura, aproveitou para deixar um recado final aos países: é preciso um “instrumento orçamental central”.

Em entrevista ao FT, relembra agora que não é a primeira vez que alerta para a necessidade de a política orçamental ajudar a política monetária. “Desde 2014 que falo da política orçamental como um complemento necessário à política monetária. Agora é mais urgente que nunca. A política monetária vai continuar a fazer o seu trabalho, mas os efeitos colaterais negativos são cada vez mais visíveis”.

A partir de novembro, será Christine Lagarde a ocupar o cargo de líder do banco central e Draghi considera que esta será uma “extraordinária” presidente do BCE. “Ela liderou com sucesso o Fundo Monetário Internacional e o seu staff de economistas por tempos desafiantes”, acrescentou Draghi sobre a sucessora.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi: “Fizemos o suficiente? Sim e podemos fazer ainda mais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião