Haitong ganha (ou perde) 500 mil euros com venda de negócio na Irlanda

O banco de investimento anunciou a 30 de setembro a venda por 12 milhões da subsidiária irlandesa. Agora diz que a operação terá uma potencial perda ou ganho entre -500 mil e +500 mil euros.

O Haitong ainda não sabe se vai ganhar ou perder com a venda à casa-mãe da sua subsidiária irlandesa. O banco de investimento divulgou, esta quarta-feira, uma adenda no site da CMVM onde informa que com esta operação terá uma potencial perda ou ganho que cai no intervalo entre -500 mil euros e +500 mil euros.

“No seguimento da comunicação divulgada pelo Haitong Bank em 30 de setembro de 2019 sobre o contrato de compra e venda celebrado com a Haitong International Holdings Limited para a venda da Haitong Investment Ireland, o Haitong Bank informa que terá uma potencial perda ou ganho no intervalo de -500 mil euros e +500 mil euros”, dá conta o comunicado publicado no site do regulador da bolsa.

O Haitong explica que o resultado a alcançar está “dependente do Valor do Ativo Líquido da Haitong Investment Ireland apurado à data da conclusão da venda“. Diz ainda que os valores correspondem apenas a “um intervalo indicativo e estão sujeitos a ajustes no âmbito dos procedimentos de Due Diligence“, e que “as potenciais perdas ou ganhos apenas serão refletidos nas contas do Banco quando se materializarem”.

Foi na passada terça-feira que o Haitong deu conta da alienação, no âmbito da sua reestruturação, da subsidiária irlandesa por 12 milhões de euros, indicando na altura ser expectável que a conclusão da operação seja feita até ao final deste ano.

Na ocasião, o banco de investimento adiantou que com esta operação, obterá um “aumento de disponibilidade de ativos ponderados pelo risco (RWAs) bem como a redução de créditos não produtivos (NPLs) expressos no balanço do Haitong Bank, melhorando o rácio de NPLs de 20,7% para 4,6%”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Haitong ganha (ou perde) 500 mil euros com venda de negócio na Irlanda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião