El Corte Inglés cria imobiliária para vender os seus próprios ativos

O grupo espanhol vai criar a sua própria imobiliária, num plano para vender uma carteira de 95 ativos, mas também para aproveitar todas as vantagens do mercado imobiliário.

O El Corte Inglés vai estrear-se no mercado imobiliário com a sua própria empresa de venda de ativos. O grupo espanhol quer aproveitar para vender um conjunto de imóveis que tem no mercado desde o início do ano, aproveitando, ao mesmo tempo, a posição que tem como um dos maiores proprietários em Espanha para rentabilizar ainda mais o negócio.

A ideia nasceu depois de, em março, o El Corte Inglés ter posto à venda uma carteira com 95 imóveis, avaliada em mais de 1.500 milhões de euros. Este portefólio, chamado “Green”, vai permitir ao grupo reduzir a dívida que tinha e que ascendia a 3.367 milhões de euros. Apesar de ter recebido várias propostas, a decisão passou por desenvolver o próprio negócio imobiliário, aproveitando as vantagens, explicou a empresa, citada pelo Expansión (conteúdo em espanhol).

Nasce assim o El Corte Inglés Real Estate, uma nova área de negócio do grupo, que agrupará três divisões: obras e construção, com uma equipa de arquitetos, engenheiros e profissionais especializados na construção de centros comerciais; exploração e gestão de ativos imobiliários; e El Corte Inglés Empresas, dirigida a clientes internacionais. Na liderança estará Javier Catena, que entrou para o grupo espanhol em março.

“A nova unidade de negócio integrará todas as áreas relacionadas com a atividade imobiliária e aproveitará a experiência das equipas de construção, arquitetura, engenharia, projetos e obras, interiores e decoração, etc.”, explicaram fontes da empresa ao jornal espanhol.

Além de gerir e promover os seus próprios ativos, o El Corte Inglés pretende tirar partido dos seus conhecimentos e recursos, levando a cabo projetos de construção, promoção e reabilitação para terceiros, assim como outro “tipo de iniciativas que possam atrair qualquer tipo de cliente empresarial”, como por exemplo a criação e reabilitação de hotéis e lojas.

O portefólio que o grupo espanhol colocou à venda em março ficou a cargo da PwC e, de acordo com fontes do mercado ao Expansión, a intenção do El Corte Inglés é agora rescindir contrato com a consultora ou reduzir a participação que tem no capital da big four.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

El Corte Inglés cria imobiliária para vender os seus próprios ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião